Restos mortais do músico Bangão chegam hoje ao país

músico Bangão falecido neste domingo na África do Sul (Foto: Arquivo/António Escrivão)
músico Bangão falecido neste domingo na África do Sul (Foto: Arquivo/António Escrivão)
músico Bangão falecido neste domingo na África do Sul (Foto: Arquivo/António Escrivão)

Os restos mortais do músico Bangão, falecido neste domingo, vítima de doença, na África do Sul, chegam nesta quarta-feira ao país.

O programa das exéquias reserva para quinta-feira (21), dia marcado para o funeral no cemitério do Alto das Cruzes, em Luanda, uma missa de corpo presente a ter lugar no pavilhão da Cidadela Desportiva, na capital angolana, a partir das 10horas.

Com 36 anos de carreira, Bangão pisou pela primeira vez um palco a 18 de Outubro de 1978, como elemento do grupo os Gingas.

Na sua carreira artística passou pelo agrupamento “Tradição”, em 1974, que integrava, entre outros, Alaito (tumbas) e André Lua (voz).

Em 1996, venceu o prémio Liceu Vieira Dias, com o tema “Kibuikila” (Peste), acompanhado pela Banda Movimento. Em plena ascensão da carreira Bangão é convidado, em 1999, a fazer parte da Banda Movimento, sempre como vocalista.

No mesmo ano, ganhou a primeira edição do concurso Semba de Ouro, com a canção “Kangila” (pássaro agoirento) e afirmou-se como cantor e compositor de inequívocos créditos firmados.

O ano 2003 consagrou Bangão como um dos maiores intérpretes da música popular angolana. Neste ano, no Top Rádio Luanda, ganha os prémios da música do ano, com o tema “Fofucho”, voz masculina do ano e é reconhecido com o prémio preservação pela sua incessante defesa da música popular angolana.

Em 2005 venceu o Top dos Mais Queridos, da Rádio Nacional de Angola (RNA).

Nascido a 27 de Setembro de 1962, no bairro Brás, no actual distrito urbano do Sambizanga, em Luanda, Bangão integrou entre 1976 a 1977, como vocalista, o grupo Processo de África, com Guncha (tumbas), Artur Décimo (viola baixo), Alaito (bateria) e Abílio (viola ritmo) (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA