Parlamentares auscultam líderes juvenis

PARTICIPANTES NA REUNIÃO DA 7ª COMISSÃO DA ASSEMBLEIA NACIONAL (Foto: Clemente Dos Santos)

Os deputados afectos à 7ª Comissão da Assembleia Nacional auscultaram nesta sexta-feira, em Luanda, vários líderes das organizações juvenis filiadas no Conselho Nacional da Juventude (CNJ), para partilhar ideias sobre o contributo dos jovens na diversificação da economia e aumento do emprego.

PARTICIPANTES NA REUNIÃO DA 7ª COMISSÃO DA ASSEMBLEIA NACIONAL (Foto: Clemente Dos Santos)
PARTICIPANTES NA REUNIÃO DA 7ª COMISSÃO DA ASSEMBLEIA NACIONAL (Foto: Clemente Dos Santos)

O encontro teve como tema a “Geração de Emprego e Contributos à Diversificação da Economia no Plano Nacional de Desenvolvimento da Juventude”, e como subtema o “Combate ao Alcoolismo e à Criminalidade Juvenil”.

O mesmo foi orientado pela presidente da 7ª comissão, Irene Alexandra Neto, que para quem o estabelecimento definitivo da paz em 2002, trouxe ao país uma nova era de crescimento e melhoria das condições de vida das populações, apesar de haver ainda muito por se fazer.

Referiu que devido a baixa do preço do petróleo no mercado internacional e as suas consequências na economia nacional, há necessidade de reajustar alguns programas e projectos em prol do progresso da juventude.

Informou aos líderes das associações juvenis que a 7ª comissão do Parlamento tem colaborado na aprovação de vários diplomas legais e na ratificação de convenções orientadas para a juventude, nos mais variados sectores do Executivo, uma vez que a política juvenil assume um carácter transversal e multissectorial.

Destes, Irene Neto destacou a ratificação da Carta Africana da Juventude, em Maio de 2009, pela Assembleia Nacional, a Lei das Associações Privadas que revoga a lei 14/91, e outras de incidência para os jovens, nomeadamente a Lei do Mecenato e das Pequenas e Médias Empresas.

Por seu turno, o presidente em exercício do Conselho Nacional da Juventude, Lopes Trigo, frisou que a actual situação económica e social do país, fruto da baixa do preço do petróleo no mercado internacional, exige dos jovens uma atitude proactiva.

Desta forma, referiu, poderão construir uma nova era baseada no bem-estar e progresso social.

“Para que isso aconteça, precisamos tomar medidas firmes para que todos nós possamos contribuir na inversão do quadro e salvar a nossa juventude do mundo das drogas, desemprego, prostituição, alcoolismo e sinistralidade rodoviária”, exprimiu.

Relativamente ao combate contra o alcoolismo e a criminalidade juvenil, apelou a aprovação da lei que proíbe a venda de bebidas alcoólicas a menores de idade, recintos escolares, bem como monitorar os programas televisivos e conteúdos publicitários que atentem à moral e ao civismo da sociedade.

Durante os debates, os parlamentes ouviram as várias preocupações dos jovens, relativamente ao reforço da unidade e desenvolvimento do associativismo juvenil angolano, educação e ensino, emprego, habitação, saúde, bem como o contributo como parceiros estratégicos do Executivo. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA