Parlamentar do MPLA realça visita ao Tumpo

Virgílio de Fontes Pereira - Líder parlamentar do MPLA (Foto: Lino Guimaraes)
Virgílio de Fontes Pereira - Líder parlamentar do MPLA (Foto: Lino Guimaraes)
Virgílio de Fontes Pereira – Líder parlamentar do MPLA (Foto: Lino Guimaraes)

O presidente do Grupo Parlamentar do MPLA, Virgílio de Fontes Pereira, ressaltou nesta sexta-feira, na província do Cuando Cubango, a importância da visita dos seus colegas dos partidos no poder na SADC ao Triângulo do Tumpo, local onde decorreu a célebre Batalha do Cuito Cuanavale, na década de 80.

“A visita foi uma grande oportunidade para que os líderes parlamentares da SADC pudessem conhecer a verdade sobre a Batalha do Cuito Cuanavale e a nossa história, e perceber qual foi a influência real de Angola para o desenvolvimento actual da África Austral”, realçou.

Falando à imprensa, no final da visita, Virgílio de Fontes Pereira exaltou o facto de a Batalho do Cuito Cuanavale ter decidido o rumo da história da África Austral, nomeadamente com o desencadeamento de processos políticos sobre a independência da Namíbia, o fim do Apartheid, a libertação de Nelson Mandela e a estabilidade política, militar e social da região.

Referiu que a deslocação ao Triângulo do Tumpo foi intencional, na medida em que o tema principal do Fórum foi sobre o desenvolvimento e a segurança.

“Precisávamos de fazer uma ligação entre a discussão sobre as questões de desenvolvimento, da integração económica e social da região da SADC, com os problemas que se colocam hoje com a segurança ao nível da região”, elucidou.

“Hoje não se pode falar na SADC, em termos de segurança, se não se pensar naquilo que é a história da nossa região, que resulta do feito que os angolanos tiveram aqui no Cuito Cuanavale, com a derrota do exército sul-africano que até então era imbatível”, disse.

A vista, acompanhada pelo governador da Cuando Cubango, Higino Carneiro, enquadrou-se no programa do Fórum dos Presidentes dos Grupos Parlamentares dos partidos no Poder na região da SADC, terminada nesta quinta-feira, na capital do país, com a assinatura da “Declaração de Luanda”. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA