Papa Francisco conquista Raúl Castro

(Foto de GREGORIO BORGIA/POOL/AFP)
(Foto de GREGORIO BORGIA/POOL/AFP)
(Foto de GREGORIO BORGIA/POOL/AFP)

O presidente cubano, Raúl Castro, afirmou neste domingo, após um longo encontro com Francisco, que ficou “muito impressionado com a sabedoria, modéstia e todas as outras virtudes” do Papa, alguém capaz de trazê-lo de volta à Igreja.

“Tivemos uma reunião muito agradável com o Papa Francisco”, revelou Castro em Roma. “Saí muito impressionado com sua sabedoria, sua modéstia e todas as virtudes que sabemos que ele tem”.

“Leio todos os discursos do Papa e sobre todos os comentários que ele faz (…). Se o Papa seguir falando assim, começarei a rezar e voltarei à Igreja, e não digo isto por brincadeira”, declarou Castro após um encontro com o chefe de governo italiano, Mateo Renzi.

“Sou comunista (…) e o Partido não permitia, mas hoje já permite a presença de fiéis. É um passo adiante”.

Durante o encontro no Vaticano, o líder cubano agradeceu ao Papa “por seus esforços na tratativa para a normalização da relação entre Cuba e os Estados Unidos”, anunciada em meados de Dezembro, depois de meio século de conflito.

A reunião durou 55 minutos e aconteceu em uma pequena sala contígua à Sala Paulo VI, onde se realizam as grandes reuniões do Vaticano.

Castro chegou pontualmente para a reunião, às 07h30 GMT (04h30 Brasília), e foi recebido pelo prefeito da Casa Pontifícia, Georg Giaenwei, que o levou ao pontífice.

Um esquadrão de dez guardas suíços com seus trajes da Renascença montavam guarda na porta e o cumprimentaram o líder cubano com o tradicional levantar de lanças.

O Papa, que havia chegado alguns minutos antes de sua casa, em Santa Marta, apertou as mãos de Castro de maneira muito afável e pouco tempo depois entraram no escritório do Papa para a reunião privada.

Ambos trocaram presentes. O pontífice ofereceu-lhe uma medalha de São Martinho de Tours que, na tradição cristã, é conhecido por ter partilhado sua capa com um mendigo.

“É preciso cobrir a miséria do nosso povo e, em seguida, ajudá-la”, disse Francisco ao convidado, a quem também presenteou com sua exortação apostólica “O Evangelho da Alegria”, texto base do seu pontificado.

“Lá existem algumas frases que vão agradar você”, porque o texto tem um lado religioso e um lado social, disse Francisco, de acordo com Lombardi.

Castro deu ao Papa uma obra do artista cubano Alexis Leiva Machado, que assina como Kcho, e uma medalha de prata em comemoração ao 200º aniversário da Catedral de Havana.

O presidente foi acompanhado por uma delegação de 11 pessoas, incluindo o chanceler Bruno Rodríguez Parrilla, o vice-presidente Ricardo Cabrizas e o embaixador de Cuba junto à Santa Sé, Eduardo Delgado Bermúdez.

Após a sua reunião privada, o Papa e Castro apareceram juntos por um minuto, sorrindo, antes de se separarem.

Castro, em seguida, deixou o Vaticano em direcção ao Palácio Chigi, sede da presidência do Conselho, no centro de Roma, para se encontrar com Matteo Renzi.

– Encontro histórico –

O encontro entre Francisco e Raul Castro foi anunciado na terça-feira e também serviu para fechar os detalhes da viagem do pontífice à ilha em Setembro.

Francisco irá fazer uma escala em Cuba antes de viajar para os Estados Unidos, onde planeja visitar Nova York e falar nas Nações Unidas.

Quando Cuba e os Estados Unidos anunciaram a reaproximação em 17 de Dezembro, o presidente cubano agradeceu aos esforços de Francisco como mediador.

Francisco será o terceiro papa a visitar Cuba, depois de João Paulo II em 1998 e Bento XVI em 2012.

Não é a primeira vez que Raul Castro visita Roma. Em 1997, quando ainda era ministro da Defesa, fez uma visita surpresa quando voltava de Pequim. O líder cubano, em seguida, visitou alguns lugares históricos dentro da Cidade do Vaticano.

Após a revolução cubana de 1959, a Igreja se opôs ao novo regime comunista, que reagiu expulsando centenas de religiosos e nacionalizando vários bens eclesiásticos.

Mas depois de anos de altos e baixos, o irmão de Raul e líder histórico cubano, Fidel Castro, retomou as relações com a Igreja durante visita ao Vaticano em 1996, coincidindo com a Cúpula Alimentar da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Comida).

Castro foi recebido pelo Papa João Paulo II, que dois anos mais tarde viajou para Cuba.

As viagens dos papas a Cuba marcaram mais progressos nas relações entre Cuba e o Vaticano. Em 1998, quando João Paulo II visitou a ilha, Fidel Castro restaurou o feriado de Natal, que havia sido suprimido no final dos anos 1960. Em 2012, durante a turnê de Bento XVI, o presidente Raúl Castro restaurou o feriado da Semana Santa.

E, como parte do diálogo iniciado em 2010 pelo cardeal Jaime Ortega e o presidente Castro, o governo autorizou a construção de novas igrejas católicas. Em 2013, ele também começou a devolver para a Igreja várias propriedades nacionalizadas em 1960. (afp.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA