Músico Pedrito quer mais responsabilidade nas composições musicais

músico Pedrito (Foto: Arquivo/Alberto julião)
músico Pedrito (Foto: Arquivo/Alberto julião)
músico Pedrito (Foto: Arquivo/Alberto julião)

O músico e compositor José Manuel Pedrinho “Pedrito” solicitou nesta segunda-feira, em Luanda, aos artistas a maior cuidado e responsabilidade na composição e elaboração dos conteúdos musicais colocados ao dispor do público.

Em declarações à Angop, o músico referiu que os artistas são um dos agentes que auxiliam na mudança de comportamentos, assumindo assim funções de grande relevância e de alcance sociopolítico e cultural de grande dimensão.

Segundo o artista, há uma elevada distracção por parte dos artistas que primam por uma linguagem vulgar, no interesse ou “febre” comercial imediata, que em muitos casos resultam em trabalhos que a curto prazo perdem a atenção e o impacto social.

Para o compositor, fazer música é uma responsabilidade social grandiosa por mobilizar todas as estruturas sociais e actuar na educação das crianças e adultos, por isso ser agente cultural implica ter consciência profunda do trabalho que deve fazer, inclusive a postura social que adopta.

No seu entender, os artistas que não tiverem cuidado com determinados princípios, tais como a temática, mensagem, a linha melódica e outros aspectos técnicos, não conseguirão trilhar e nem farão carreira no music hall, porque tem muito a ver com o que se dissemina.

O músico observou que há necessidade de se ter uma definição clara a cerca do que se pretende com a música, de forma a se ter uma característica e identidade própria.

José Manuel Pedrinho, ou simplesmente Pedrito, nasceu em Icolo e Bengo, província de Luanda, no dia 1 de Outubro de 1954. Fez a sua primeira actuação musical no Ngola Cine, no dia 24 de Dezembro de 1969, numa das sessões do “Dia do Trabalhador”.

Efectuou a sua primeira digressão artística internacional em 1982, por seis países do Leste da Europa e Portugal, com o grupo musical “Jovens do Prenda”. Vencedor do concurso “Top dos Mais Queridos”, da Rádio Nacional de Angola, em três edições, nos anos de 1982, 1984 e 1986, o músico ainda ficou, por duas ocasiões, em segundo lugar.

Tem três discos no mercado: “Aleluia”, o primeiro CD da sua carreira (1994) inclui as canções: “Nga Kinga”, “Aleluia” “Vaso quebrado”, “Nzala ya Tula” e “Mulher Mmumuíla”. Em 2003 gravou o CD “Avó Béa”, disco produzido e editado em Angola pelas edições “Pedrinho Produções” e “Mensagens de amor”, introduzido no mercado em Dezembro de 2008.

Conta ainda com os singles “Mãe Kuebi”, em 1971 e, um ano depois, surgiu o sucesso “Farrapo Triste”. O single “Comandante Jika” surge em 1976. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA