Malanje: Responsável defende controlo dos meios logísticos dos órgãos policiais

(RNA)
(RNA)
(RNA)

O Delegado provincial do ministério do interior em Malanje, Comissário António Bernardo, defende a necessidade de um controlo mais rigoroso dos meios logísticos nas unidades policiais e todos os órgãos afectos ao pelouro que dirige, com vista a uma utilização racional dos recursos disponíveis.

A fonte defendeu a ideia quando intervinha na abertura terça-feira do primeiro seminário de capacitação dos especialistas de logística dos serviços penitenciários, de bombeiros e de migração e estrangeiro e outros órgãos do ministério do interior na província.

Para tal, de acordo com o responsável, será incumbida a direcção de inspecção da delegação, a realização de acções regulares de sindicância dos recursos logísticos, o que obrigará a todos os responsáveis de unidades a remeterem superiormente todos as requisições de meios, no sentido de se fazer uma fiscalização e controlo do uso dos mesmos.

“Esta sindicância deverá começar pela sede e se expandir pelos municípios, em todos os órgãos que compõem a delegação provincial do interior em Malanje”, frisou, acrescentando que este inquérito não deve apenas basear-se nas eventuais falhas de gestão dos meios, mas deve servir para a averiguação das debilidades e se buscar as vias de resolução das mesmas, rumo ao bem fazer e melhor exercício das actividades laborais.

Só com isso, segundo o delegado, se pode ter uma organização policial sólida, coerente e responsável, que atenda os anseios de todos.

Disse que a organização logística é transversal, por isso não é possível nos dias actuais se trabalhar em condições e tranquilidade se não houver uma logística forte e virada para a transformação do futuro, ladeando, antevendo e resolvendo os problemas na medida em que o contexto exigir.

Para ele, cada um dos especialistas deve estar dotado de capacidades de prever o futuro, tendo como tendo em atenção as dificuldades do ministério e um controlo mais rigoroso dos meios logísticos colocados a disposição de todos os órgãos e unidades policiais, para que haja uma maior racionalização no uso dos mesmos.

“Não é possível ter um ministério a trabalhar plenamente se não se pôr a disposição dos efectivos todos os meios necessários, que vão desde o atavio aos meios bélicos de defesa nacional, mas não obstante a isso, é necessário que os quadros analisem o estado funcional actual e os meios policiais hoje disponíveis para que cada agente, para que com base nas normas de protecção militar, possa se fazer um controlo permanente dos mesmos e possam servir apenas os interesses da corporação”, sustentou.

O seminário terá duração de dez dias, visando dota-los de ferramentas para uma gestão correcta dos meios logísticos e nele estão a ser abordados temas como conceitos de logística, guia e segurança alimentar, vestuário e sua classificação, planificação, normas de consumo e outras. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA