Malanje: Governo denuncia tentativa de extorsão por parte do grupo “União de activistas das 18 províncias”

RORBERTO DOS SANTOS GOVERNADOR DE MALANGE (Foto: António Escrivão)

Malanje – O governo provincial de Malanje denunciou quarta-feira nesta cidade, a tentativa de extorsão e chantagem por parte de um suposto grupo que se auto-denomina “União de activistas das 18 províncias”, que pretende usurpar dinheiro, viaturas e residências em troca de se evitar manifestações no próximo dia 6 de Junho deste ano.

RORBERTO DOS SANTOS GOVERNADOR DE MALANGE (Foto: António Escrivão)
RORBERTO DOS SANTOS GOVERNADOR DE MALANGE (Foto: António Escrivão)

De acordo com uma nota do governo apresentada pelo director provincial da Comunicação Social, Manuel Carvalho da Costa, estas tentativas de manifestações, surgem na sequência de uma carta dirigida dia 12 deste mês ao governador a exigir do governo um valor avaliado em um milhão e 500 mil dólares, três viaturas de marcas land cruiser, cargos de direcção e chefia no aparelho governativo e sete residências.

Ainda assim, a nota informa que no seio do mesmo grupo surgiu um elemento  identificado como António Bequienze António que também fez uma exigência particular ao governo, para que lhe fosse cedido um tractor, uma carrinha canter, dois grupos geradores de 7, 5 kv e duas motobombas.

Segundo o documento, o governo provincial informa que a chamada “União de activistas das 18 províncias” é um grupo ilegal sem personalidade jurídica e que do ponto de vista legal não existe e concluiu que é uma organização de oportunistas com fins pessoais.

“Este grupo de indivíduos que a todo custo quer organizar manifestações na província, não defende causa nenhuma, senão fins pessoais e tenta aliciar os mais distraídos para se envolverem em confusão, mas felizmente não tem tido aceitação no seio da população”, lê-se na missiva.

Deste modo a nota refere que o governo de Malanje accionará os mecanismos e meios necessários para manter a disciplina, visando salvaguardar a ordem e tranquilidade públicas e, defender os cidadãos de qualquer acto que põe em risco a vida da população.

Exorta a população em particular a juventude a não aceitar elementos que se identifiquem como activistas das 18 províncias nos seus bairros, zonas, ruas ou edifícios por formas a se evitar que se semeie confusão, pânico e desordem na província, cuja Polícia Nacional será chamada a manter a paz, a ordem, disciplina e a fraternidade no seio dos habitantes.(portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA