Mais de 10 pessoas morrem por acidentes de viação na Centralidade do Kilamba

CIDADE DO KILAMBA REGISTA 200 ACIDENTES EM DOIS ANOS (Foto: Angop)

Pelo menos 14 pessoas morreram em cerca de 200 acidentes de viação ocorridos durante dois anos nas ruas da Centralidade do Kilamba, em Luanda.

CIDADE DO KILAMBA REGISTA 200 ACIDENTES EM DOIS ANOS (Foto: Angop)
CIDADE DO KILAMBA REGISTA 200 ACIDENTES EM DOIS ANOS (Foto: Angop)

O administrador da Centralidade, Joaquim Israel, que falava hoje, quinta-feira, à Angop por ocasião da realização da feira local de sinistralidade rodoviária disse que a desobediência na paragem do sinal vermelho (semáforo), o excesso de velocidade e a falta de prudência são apontados como as principais causas dos acidentes de viação nessa área residencial.

Segundo o responsável, os acidentes em muitos casos são concorridos com a destruição de bens públicos com destaque de postos de iluminação pública, cujos prejuízos são avaliados em cerca de cinco milhões de kwanzas.

De acordo com Joaquim Israel, a maior parte dos acidentes são provocados por automobilistas que não vivem na centralidades os quais na sua maioria após  as violações metem-se em fuga.

“ Com a realização da feira pretende-se chamar à atenção de toda a sociedade quanto as causas e consequências dos acidentes de viação. Aqui todos poderão reflectir sobre os cuidados necessários que se devem ter em conta nas estradas”, afirmou.

Considerou os acidentes nas estradas como uma questão de consciência, apontando a condução sob o efeito do álcool como um reflexo claro da sua afirmação.

A Feira da sinistralidade rodoviária na Cidade do Kilamba vai decorrer de sexta-feira a domingo.

A Cidade do Kilamba localizada no município de Bela, foi inaugurada em 2011 e projectada para 82 mil apartamentos, numa área de 54 quilómetros quadrados.

A primeira pedra do empreendimento foi lançada no dia 31 de Agosto de 2008.

A primeira fase deste empreendimento foi prevista para alojar cerca de dezanove mil pessoas em 115 edifícios, num total de 3.800 apartamentos, erguidos em padrão urbano com serviços públicos integrados, como escolas e instituições financeiras.

O escopo inicial do empreendimento compreende 710 edifícios, 24 creches, nove escolas primárias, oito secundárias e cinquenta quilómetros de estrada. (portalangop.co,ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA