Lunda Sul: Bonga homenageado na gala do Angola Music Awards

Bonga tocando dikanza (ANGOP)

Saurimo – O musico Barceló de Carvalho “ Bonga” foi o homenageado na terceira edição do Angola Music Awards (AMA), cuja gala teve lugar sábado, no espaço Quinteto, em Saurimo, província da Lunda Sul.

Bonga tocando dikanza (ANGOP)
Bonga tocando dikanza (ANGOP)

A homenagem ao artista serviu para destacar o seu contributo na promoção, valorização da música angolanae a sua afirmação além-fronteiras.

O músico José Avelino Barceló de Carvalho, conhecido nas lides musicais como Bonga Kuenda, nasceu em Caxito, província do Bengo, em 1942. Com 72 anos de idade, 34 dos quais dedicados a música, conta com mais de 30 obras discográficas na sua maioria editados em Portugal, país em que reside há mais de 30 anos.

Filho de pai angolano e mãe congolesa, ainda criança o artista tomou o primeiro contacto com a música, tendo sido fortemente influenciado pelo seu pai.

Durante a infância, Bonga e seus nove irmãos ouviam, de forma alternada, merengues da América Latina e música brasileira, as quais acompanhava com a Dikanza, ao lado de seu pai que tocava preferencialmente o acordeão.

Por volta de 1957/58, compõe, na capital do país, o seu primeiro marco musical com o titulo “Uengi”, numa altura em que o nacionalismo imperava, com fervor, em grande parte dos jovens daquela geração.

Uma vez “entrelaçado” com a música e ainda na vida escolar, o artista encontrou forte oposição das autoridades coloniais portuguesas que não os apreciavam (jovens), por expressarem tipicamente a cultura angolana.

No musseque, onde enfrentou o preconceito dos assimilados negros, integrou grupos como “Os Quissueias do Ritmo”, “Kimbandas do Ritmo” e uma outra formação do bairro Rangel, antes de partir para Portugal.

Em terras lusas, o criador angolano tornou-se praticante de atletismo e conquistou pelo Benfica o título de recordista dos 400 metros, mas levara na bagagem a canção, porque detinha uma válida iniciação musical angolana.

Do seu reportório destacam-se os albuns “Angola 72”, “Kandandu”, “Raizes”, “Sentimento”, “Massemba 87”, “Mulemba Kietu”, “Mulemba Xangola”, “Diakandumba”, “Falar assim” ,  “Kaxexe”, entre outros. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA