Local da Cimeira Extraordinária de Chefes de Estado e de Governo regista já movimentação intensa

CENTRO DE CONVENÇÕES DE TALATONA (FOTO: FRANCISCO MIUDO)

O Centro de Convenções de Talatona, em Luanda, regista desde as primeiras horas de hoje, segunda-feira, uma intensa movimentação com a chegada no local dos lideres, ministros, diplomatas, altas patentes das Forças Armadas e Chefes dos Serviços de Informação da Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos (CIRGL), a fim de participarem na Cimeira Extraordinária dos Chefes de Estado e de Governo, dessa região de África.

CENTRO DE CONVENÇÕES DE TALATONA (FOTO: FRANCISCO MIUDO)
CENTRO DE CONVENÇÕES DE TALATONA (FOTO: FRANCISCO MIUDO)

O encontro que deve terminar ainda hoje será orientado pelo Presidente da República e em exercício da CIRGL, José Eduardo dos Santos, e vai analisar a actual situação de segurança e humanitária, com especial atenção nas Repúblicas do Burundi, Centro Africana, Democrática do Congo, Sudão do Sul e a ameaça de terrorismo na referida zona.

Antes do início do fórum o Chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos vai manter um encontro privado na residência protocolar desta unidade hoteleira com a presidente interina da República Centro -Africana, Catherine Samba Panza, com quem vai abordar a situação política económica e social reinante neste país assolado por um conflito interno inter-religioso .

O líder angolano no exercício destas funções tudo tem feito para que a solução nestes países em conflitos internos, as divergências quer do ponto de vista político ou religioso, sejam resolvidas de forma pacífica, através do diálogo, ao invés do recurso a violência armada, factores que perturbam e retardam o processo de integração e o desenvolvimento da região e do continente africano em geral.

De acordo com o programa de trabalho da sessão, o Presidente angolano e em exercício da CIRGL, José Eduardo dos Santos na qualidade de anfitrião fará a abertura do evento com um discurso de boas-vindas dirigido aos seus homólogos ou seus representantes.

De seguida dar-se-á início ao encontro a porta – fechada, consagrada à adopção da agenda de trabalhos, onde será feita a apresentação das recomendações da reunião do comité interministerial deste órgão.

No decorrer da reunião o presidente da República Democrática do Congo, Joseph Kabila, vai fazer a apresentação do ponto de situação de segurança no seu país e sobre o processo de desarmamento das Forças Democráticas de Libertação do Ruanda (FDLR), seguido também do líder do Sudão do Sul, Salva Kiir, igualmente a prestar uma informação sobre a situação de segurança no seu território.

De igual modo, ainda de acordo com o programa que a Angop teve acesso, a presidente da República Centro -Africana, Catherine Samba Panza e do Burundi, Pierre Nkurunziza vão fazer ao líder em exercício da CIRLG, José Eduardo dos Santos o ponto de situação de segurança nos seus respectivos países.

Ainda na mesma senda, o chefe de Estado do Quénia, Uhuru Kenyata, também vai prestar uma informação sobre a ameaça do terrorismo na região dos Grandes Lagos.

No final do encontro que termina no princípio da tarde, será feita a leitura do comunicado final do encontro, ao que se seguirá a oferta de um almoço oficial por parte do estadista angolano, José Eduardo dos Santos, aos seus homólogos e respectivas delegações.

A Cimeira de cúpula dos líderes da CIRGL foi antecedida de três encontros que decorreram em Luanda, a destacar dos chefes de Estados Maiores Generais das Forças Armadas e dos chefes dos Serviços de Informação (conjunta), dos ministros da Defesa e das Relações Exteriores (em separado) deste órgão regional.

A CIRGL foi criada após os conflitos políticos que marcaram a região dos Grandes Lagos, em 1994, cujo resultado marcou o reconhecimento da sua dimensão e a necessidade de um esforço concentrado com vista a promoção da paz e do desenvolvimento na região.

Dela fazem parte Angola, Burundi, República Centro -Africana, República do Congo, República Democrática do Congo, Quénia, Uganda, Ruanda, Sudão, Sudão do Sul, Tanzânia e Zâmbia. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA