Huíla: Elefantes destroem mais 200 lavras no Mulondo e deixam famílias sem alimentos

MANADA DE ELEFANTES (FOTO: PREPARADO ZITA GONÇALVES)

Matala – Duzentos e 80 famílias cujas lavras foram destruídas por manadas de elefantes na comuna do Mulondo, 145 quilómetros a sul da sede municipal da Matala, província da Huíla, em Janeiro e Fevereiro, ainda carecem de ajuda humanitária, informou o administrador comunal, Zeca Mupinga.

MANADA DE ELEFANTES (FOTO: PREPARADO ZITA GONÇALVES)
MANADA DE ELEFANTES (FOTO: PREPARADO ZITA GONÇALVES)

Em declarações à Angop, Zeca Mupinga disse que os danos provocados pelos elefantes nas culturas dos camponeses são enormes na comuna e a situação está preocupar as autoridades visto que os elefantes nos últimos anos não permanecem no parque, procuram culturas agrícolas para se alimentar.

Zeca Mupinga assegurou que as culturas não haviam secado na totalidade e os camponeses teriam excedentes para alimentar as famílias nos primeiros dias do ano.

“Esta situação deixou muitas famílias desprovidas de alimentos e precisa-se a intervenção do governo para evitar problemas graves, por isso um alerta já foi lançado às autoridades da província que prometem responder de imediato”, disse.

Segundo a fonte, as famílias mais afectadas são das localidades de Matunto, Tchiwacusse, Camunhadi e algumas lavras da sede comunal do Mulondo.

Para a comuna do Mulondo, segundo o responsável, a estratégia que os responsáveis do parque devem fazer apenas seria vedar o parque, para evitar que os animais invadam aldeias.

A comuna do Mulondo dista a 99 quilómetros da sede municipal da Matala e, segundo os dados provisórios do Censo2014, tem uma população estimada em mais de 14 mil e 456 habitantes. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA