Huambo: Defendido maior envolvimento populacional na recuperação do património histórico-cultural

ROSA CRUZ E SILVA (Foto: Edilson Domingos)

Caála – A ministra da Cultura, Rosa Cruz e Silva, defendeu quarta-feira, no município da Caála, província do Huambo, um maior envolvimento da população na recuperação, valorização e afirmação do património histórico-cultural, enquanto factor de elevação da cultura de paz.

ROSA CRUZ E SILVA (Foto: Edilson Domingos)
ROSA CRUZ E SILVA (Foto: Edilson Domingos)

A governante teceu estas considerações durante um encontro  com os membros da Administração Municipal da Caála, antes de se deslocar ao monte Sumé, local onde estavam concentrados mais de dois mil ex-seguidores da seita religiosa 7º Dia Luz do Mundo, liderada pelo cidadão José kalupeteca.

A governante referiu que só com maior envolvimento da população será possível encontrarem-se os caminhos que possam levar o país à concórdia, irmandade e solidariedade.

“Temos de recuperar esses valores históricos de forma conjunta e encontrar uma maneira mais expedita para se promover a cultura de paz e unidade nacional”, sublinhou, para mais adiante afirmar que o  Ministério da Cultura vai dar mais ênfase às questões relacionadas com o património histórico-cultural ligados às bibliotecas, arquivos e museus.

Rosa Cruz e Silva reafirmou, por isso, que o sector da Cultura vai, nesta nobre tarefa, prestar apoio metodológico, técnico e científico às equipas dos governos provinciais para melhor cumprirem com as obrigações de elevação e valorização da cultural angolana.

Afirmou que as questões relacionadas com a cultura,  no que tange às tarefas relacionadas com a preservação e salvaguarda do património histórico –cultural, sempre estiveram nas preocupações do ministério, razão pela qual existem propostas de programas de acção a serem desenvolvidas neste contexto, visando a valorização do legado histórico deixado pelos ancestrais.

Nesta perspectiva, lembrou que está  em curso o projecto da iniciativa do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, ligado à valorização e divulgação das figuras históricas.

A ministra ressaltou ainda que a cultura é um factor de unidade que fortalece a Nação, razão pela qual é necessário ocupar a juventude com actividades profissionais e do domínio cultural, que não passam, necessariamente, pela criação de grupos de dança ou de música, mas também de outras vertentes artísticas que podem ser desenvolvidas no interior das ombalas.

As ombala, recordou, foram locais de produção de artefactos da cultura nacional que valorizavam os hábitos e costumes alimentares, morais, éticos e religiosos da população local.

No município da Caála, cuja sede localiza-se a 23 quilómetros a oeste da cidade do Huambo, a ministra da Cultura, que iniciou quarta-feira, uma vista de dois dias à província do Huambo, foi recebida pelo governador Kundi Paihama e por grupos de cânticos e dança do estilo olundongo, típica da região ovimbundo. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA