Halterofilismo adaptado será qualificativo aos Jogos Paralímpicos’2016

JOSÉ RODRIGO BEJARANO - SECRETÁRIO-GERAL DO COMITÉ PARALÍMPICO AFRICANO (FOTO: JOAQUINA BENTO)

Em ano de estreia nos Jogos Africanos de 4 a 19 de Setembro no Congo Brazzaville, o halterofilismo adaptado será qualificativo aos jogos paralímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, apurou a Angop, neste sábado, em Luanda.

JOSÉ RODRIGO BEJARANO - SECRETÁRIO-GERAL DO COMITÉ PARALÍMPICO AFRICANO (FOTO: JOAQUINA BENTO)
JOSÉ RODRIGO BEJARANO – SECRETÁRIO-GERAL DO COMITÉ PARALÍMPICO AFRICANO (FOTO: JOAQUINA BENTO)

De acordo com o secretário-geral do Comité Paralímpico Africano (APC – sigla em inglês), José Rodrigo Bejarano, a questão já mereceu o aval do Comité Paralímpico Internacional (IPC- Halterofilismo) e a prova continental de Brazzaville dará mesmo acesso à maior competição mundial multidisciplinar de desporto para atletas deficientes.

O responsável cabo-verdiano do APC está desde a manhã deste sábado no Congo Brazzaville, onde na companhia do angolano José Manuel, assessor técnico para o atletismo, participará na 3ª reunião conjunta da Confederação Africana dos Desportos.

Afirmou que o objectivo neste terceiro encontro da organização dos Jogos Africanos é aferir as condições relativas ao desporto adaptado como a vila, os acessos, a unificação dos regulamentos e apresentação do “dossier” do atletismo e halterofilismo.

No fórum, a realizar-se de 1 a 3 de Junho, será igualmente definida detalhes sobre a disputa das provas de atletismo paralímpico e olímpico no mesmo dia e período, tal como sucedeu na edição anterior em Maputo (Moçambique).

A ideia, segundo o também presidente do Comité Paralímpico de Cabo Verde, é criar cada vez mais “um clima de inclusão”, tirando igualmente aproveitamento da presença do público nos recintos do evento.

Sobre a introdução pela primeira vez no programa dos jogos do halterofilismo, em detrimento da habitual natação, a fonte da Angop justificou com a existência de maior número de países que praticam a modalidade de peso, além do facto de ser qualificativo aos Jogos Paralímpicos do próximo ano.

Explicou que atletismo adaptado no evento africano também terá as marcas reconhecidas pelo órgão do IPC que responde pela modalidade. “As marcas do atletismo que estiverem dentro dos mínimos estabelecidos para o Rio2016 serão levadas em conta na devida altura pelo IPC”, reiterou.

A primeira reunião conjunta da Confederação Africana dos Desportos tendo em conta os jogos Africanos do Congo Brazzaville teve lugar em 2014, enquanto a segunda em Fevereiro deste ano. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA