Grupos Parlamentares dos partidos maioritários da SADC analisam situação da região

Bandeira da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (ANGOP)
Bandeira da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (ANGOP)
Bandeira da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (ANGOP)

Os presidentes dos Grupos Parlamentares dos partidos políticos maioritários da SADC vão analisar, a partir desta terça-feira, em Luanda, aspectos ligados à acção parlamentar no quadro da região, e outros de índole política e governativa.

Segundo o deputado Pedro Neto, que falava em conferência de imprensa, o encontro vai decorrer sob o lema “Democracia e Segurança na Região da SADC”, e terá como um dos pontos fulcrais a institucionalização do Fórum dos Presidentes dos Grupos Parlamentares dos partidos maioritários da SADC.

“Pretende-se institucionalizar o Fórum com uma periodicidade anual e rotativa, de forma a abordar questões comuns que dizem respeito aos cerca de 220 milhões de habitantes da região da SADC, bem como a assinatura de uma Declaração de Luanda, para vincular os membros da organização”, salientou.

Pedro Neto informou que no encontro deverão participar 12 Grupos Parlamentares, realçando a ausência do Botswana, por razões de calendário, e do Madagáscar, que ainda não regressou ao convívio da família da SADC, devido aos acontecimentos internos
havidos naquele país.

Faz saber que o programa de trabalho do Fórum, que se estenderá até sábado próximo, inscreve visitas em locais de interesse histórico e económico, e uma deslocação ao Cuito Cuanavele, província do Cuando Cubango.

O deputado Pedro Neto lembrou que o primeiro encontro do Fórum teve lugar de 27 a 28 de Fevereiro último, em Windhoek, Namíbia, sob o lema o reforço da democracia parlamentar e a boa governação na região da SADC.

Nele participaram representantes dos Grupos Parlamentares da Namíbia, África do Sul, Zimbabwe, Ilhas Maurícias, Lesotho e de Angola, acrescentou, precisando que a iniciativa partiu dos presidentes dos partidos maioritários de Angola (MPLA), Namíbia (Swapo) e da Tanzânia (Chama Chama Pinduzi). (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA