Grupo Estado Islâmico reivindica ataque em Dallas

Grupo Estado Islâmico confirma autoria do ataque contra centro cultural de Garland, no Texas. (REUTERS/Rex Curry)
Grupo Estado Islâmico confirma autoria do ataque contra centro cultural de Garland, no Texas. (REUTERS/Rex Curry)
Grupo Estado Islâmico confirma autoria do ataque contra centro cultural de Garland, no Texas.
(REUTERS/Rex Curry)

O grupo Estado Islâmico reivindicou nesta terça-feira (5) o ataque contra o centro cultural de Garland, no Texas, onde acontecia um concurso de caricaturas do profeta Maomé.

A reivindicação do ataque de domingo passado foi feita nesta manhã pela rádio do movimento jihadista e confirma mensagem postada no Twitter. O político holandês de extrema-direita Geert Wilders, conhecido pelos comentários contrários aos muçulmanos, participava do evento anti-islâmico.

Durante os momentos finais do concurso, dois homens se aproximaram do centro de convenções começaram a disparar contra um segurança no estacionamento do local, segundo um comunicado publicado pela prefeitura da cidade. Dois policiais que estavam nas proximidades reagiram e mataram os suspeitos. Antes de morrer, um deles tentou alcançar uma mochila que havia trazido.

A imprensa americana informou que os dois supostos terroristas radicais eram Elton Simpson, de 31 anos, e Nadir Soofi, de 34 anos. De acordo com o jornal Los Angeles Times, os dois suspeitos dividiam um apartamento no Arizona, no sudoeste dos EUA. Elton Simpson, aliás, já havia sido condenado em 2011 por ter dado falsas informações ao FBI, equivalente da Polícia Federal norte-americana.

Em entrevista à televisão americana ACN News, o pai de Elton Simpson, Duston Simpson, afirmou que o seu filho trabalhava em um consultório de dentista e que havia feito uma “má escolha”. “Somos americanos e acreditamos na América. Isso que fez o meu filho não reflecte o que representa a minha família”, disse.

O tiroteio no Centro Cultural do Texas lembra o atentado contra o jornal satírico francês Charlie Hebdo, ocorrido em Janeiro, e o ataque contra o Centro Cultural de Copenhaga, em Fevereiro passado. (rfi.fr)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA