Economista considera ajuste do preço do combustível estratégico

(Foto: Angop)
(Foto: Angop)
(Foto: Angop)

O ajuste do preço do combustível no país, que vem sendo feito pelo Governo, representa uma estratégia de melhoramento e diversificação da economia nacional, defendeu esta segunda-feira, no município da Caála, província do Huambo, o economista Castelo Capoko.

Em declarações à Angop, a propósito do novo aumento do preço dos combustíveis verificado há cinco dias, Castelo Capoko disse que com esta medida o Governo pretende prosseguir com os programas de desenvolvimento dos sectores da educação, saúde, agricultura, indústria e construção, bem como reforço de outras acções sociais, que promovem o melhoramento das condições de vida da população.

O actual contexto macroeconómico nacional exige esta subida do preço do combustível para dar sequência a todos os projectos socioeconómicos do país, bem como estudar outros mecanismos da diversificação da economia, disse.

Segundo o economista, agora é fundamental que o Governo aumente os programas de investimentos nos sectores da indústria e agricultura, para facilmente diversificar a economia nacional.

Na sua óptica, o processo de diversificação da economia do país é um projecto de longo prazo porque será necessária, primeiro, a criação de condições infra-estruturais e a qualificação da mão-de-obra.

Castelo Capoko afirmou que, nesta fase de contenção de gastos, é necessário actualizar o preço de combustível para fomentar o desenvolvimento socioeconómico em prol da população sem interrupção.

Todo o cidadão é chamado a dar o seu contributo no Plano Nacional de Desenvolvimento e esta é a posição mais acertada do Governo, frisou.

A Sociedade Nacional de Combustível de Angola (Sonangol) fixou, desde o dia 30 de Abril, em 115 kwanzas o preço do litro da gasolina, contra os 90 anteriormente cobrados.

Nos termos do mesmo decreto, o preço do litro de gasóleo regista um aumento de 25 por cento, passando de 60 para 75 kwanzas, com o Estado a subvencionar 21,06 do custo.

Quanto aos outros derivados de petróleo, o preço do quilograma do gás doméstico passa de 45 para 55 kwanzas, o que representa um aumento de 22 por cento, com o Estado a continuar a subvencionar 67,15 por cento do custo.

O litro do petróleo iluminante regista um aumento de 29 por cento (passa de 35 para 45 kwanzas), sendo que o Estado continua a subvencionar 44,41 por cento do preço. (Angop/Expansão)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA