Dia Mundial do Enfermeiro assinala-se sob o signo da humanização

Directora do Gabinete provincial de Luanda da Saúde, Rosa Bessa (Foto: Henri Celso)
Directora do Gabinete provincial de Luanda da Saúde, Rosa Bessa (Foto: Henri Celso)
Directora do Gabinete provincial de Luanda da Saúde, Rosa Bessa (Foto: Henri Celso)

Para saudar o dia internacional do enfermeiro, o Governo Provincial de Luanda, através do Gabinete de Saúde, elegeu o lema “ a humanização no doente queimado”, cujo acto provincial terá lugar no dia 12 de Maio (terça-feira), no Hospital Especializado Neves Bendinha.

Segundo a directora do Gabinete Provincial da Saúde, Rosa Bessa, a escolha deste lema serve para apelar a sensibilidade dos profissionais da saúde, principalmente os que cuidam de pessoas com queimadura, visto que maior número são crianças dos zero aos cinco anos de idade.

“Este dia deverá ser um momento de reflexão para chamar a atenção dos enfermeiros para a necessidade de reforçar cada vez mais o atendimento humanizado daqueles que diariamente acorrem às nossas unidades sanitárias a procura de assistência médica”, frisou.

O lema, sublinhou, serve também para chamar a atenção dos pais no sentido de redobrarem o cuidado para com os filhos, principalmente as mães que mais tempo passam em casa, tirando do alcance das crianças todos os objectos passíveis de produzir combustão.

“O 12 de Maio é um dia especial, dedicado àquelas pessoas especiais que cuidam tão bem de nós quando estamos doentes”, enalteceu a directora provincial, que se manifestou preocupada pelo elevado número de crianças com queimadura atendidas no Hospital Neves Bendinha.

De acordo com Rosa Bessa, num momento em que cada vez mais se assume que o cidadão tem de estar no centro do sistema de saúde, assume-se como imprescindível o papel privilegiado que os enfermeiros desempenham junto de quem recorre aos serviços de saúde.

“É esta classe que nos locais mais recônditos desta nossa Angola, com sacrifício e abnegação, dedica a sua energia, o seu saber, pela saúde dos nossos pais, mães, filhos e amigos. Estes profissionais são a bengala que suporta os nossos médicos”, disse.

A 12 de Maio comemora-se mundialmente o Dia do Enfermeiro, em referência a Florence Nightingale, um marco da enfermagem moderna no mundo que nasceu nesta data do ano 1820.

A profissão tem sua origem milenar e data da época em que ser enfermeiro era uma referência a quem cuidava, protegia e nutria pessoas convalescentes, idosos e deficientes.

Durante séculos, a enfermagem forma profissionais em todo o mundo comprometidos com a saúde e o bem-estar do ser humano. Só em Luanda são mais de três mil enfermeiros.

Desde os tempos do Velho Testamento, a profissão de enfermeiro já era reconhecida por aqueles que cuidavam e protegiam pessoas doentes, em especial idosos e deficientes, pois nessa época, tais atitudes garantiam ao homem a manutenção da sua sobrevivência.

Nesta época e durante muitos séculos, a enfermagem estava associada ao trabalho feminino, caracterizado pela prática de cuidar de grupos nómadas primitivos.

Com o passar dos tempos, as práticas de saúde evoluíram e entre os séculos V e VIII a enfermagem surge como uma prática leiga, desenvolvida por religiosos como se fosse mais um sacerdócio.

A palavra “enfermeiro” se compõe de duas palavras do latim: “nutrix” que significa Mãe e do verbo “nutrire” que tem como significados, criar e nutrir. Essas duas palavras, adaptadas ao inglês do século 19 acabaram se transformando na palavra “NURSE”, que traduzido para o português, significa Enfermeira.

Assim, o Dia Internacional dos Enfermeiros é comemorado mundialmente desde 1965, mas a data oficial (12 de Maio) foi decidida pelo Conselho Internacional de Enfermeiros em 1974, para assinalar os contributos dos enfermeiros e enfermeiras na sociedade. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA