Cúpula entre EUA e países do golfo acontece sem presença do rei saudita

Encontro em Washington do presidente americano Barack Obama e líderes Golfo. (REUTERS/Kevin Lamarque)
Encontro em Washington do presidente americano Barack Obama e líderes Golfo. (REUTERS/Kevin Lamarque)
Encontro em Washington do presidente americano Barack Obama e líderes Golfo.
(REUTERS/Kevin Lamarque)

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, recebe nesta quarta-feira (13) em Washington os dirigentes das monarquias do Golfo. A cúpula será aberta com um jantar de gala na Casa Branca, mas acontece sem a presença do rei Salman, da Arábia Saudita, que cancelou sua participação na última hora.

A Cúpula entre os Estados Unidos e Conselho de Cooperação do Golfo visa tranquilizar os países árabes sunitas. Obama vai dar garantias que, apesar das negociações sobre o controverso programa nuclear iraniano, os Estados Unidos vão continuar atentos às actividades desestabilizadoras e perigosas de Teerão.

No entanto, a cúpula não terá a participação de um convidado de peso: o rei Salman da Arábia Saudita que declinou em cima da hora o convite. O monarca saudita será substituído pelo príncipe herdeiro, Mohamed ben Nayef, e pelo ministro da Defesa e vice-príncipe herdeiro, Mohamed ben Salman. Os dois representantes sauditas serão recebidos por Obama no Salão Oval da Casa Branca, antes do jantar da gala que abre a Cúpula esta noite. As discussões entre o presidente americano e os líderes dos países do Golfo continuam amanhã (14), em Camp David.

Trégua humanitária no Iémen

O encontro em Washington acontece em um momento delicado no Oriente Médio. Ele será aberto poucas horas após o início da trégua humanitária no Iémen que deve pôr fim a sete semanas de bombardeios aéreos conduzidos por uma coligação árabe, liderada pela Arábia Saudita.

Essa trégua de cinco dias entrou em vigor às 23h de terça-feira (pelo horário local), mas combates foram registados nas regiões sul e leste do país. Um general saudita afirmou que os rebeldes bombardearam um posto na fronteira entre os dois países, minutos depois do início do cessar-fogo.

A trégua visa permitir a entrada de ajuda humanitária à população iemenita, vítima dos combates. O Irão confirmou que pretende encaminhar directamente ao porto de Aden um navio de ajuda humanitária, sem passar pela plataforma da ONU, como exigem os Estados Unidos. (rfi.fr)

DEIXE UMA RESPOSTA