Cúpula entre EUA e países do golfo acontece sem presença do rei saudita

Encontro em Washington do presidente americano Barack Obama e líderes Golfo. (REUTERS/Kevin Lamarque)
Encontro em Washington do presidente americano Barack Obama e líderes Golfo. (REUTERS/Kevin Lamarque)
Encontro em Washington do presidente americano Barack Obama e líderes Golfo.
(REUTERS/Kevin Lamarque)

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, recebe nesta quarta-feira (13) em Washington os dirigentes das monarquias do Golfo. A cúpula será aberta com um jantar de gala na Casa Branca, mas acontece sem a presença do rei Salman, da Arábia Saudita, que cancelou sua participação na última hora.

A Cúpula entre os Estados Unidos e Conselho de Cooperação do Golfo visa tranquilizar os países árabes sunitas. Obama vai dar garantias que, apesar das negociações sobre o controverso programa nuclear iraniano, os Estados Unidos vão continuar atentos às actividades desestabilizadoras e perigosas de Teerão.

No entanto, a cúpula não terá a participação de um convidado de peso: o rei Salman da Arábia Saudita que declinou em cima da hora o convite. O monarca saudita será substituído pelo príncipe herdeiro, Mohamed ben Nayef, e pelo ministro da Defesa e vice-príncipe herdeiro, Mohamed ben Salman. Os dois representantes sauditas serão recebidos por Obama no Salão Oval da Casa Branca, antes do jantar da gala que abre a Cúpula esta noite. As discussões entre o presidente americano e os líderes dos países do Golfo continuam amanhã (14), em Camp David.

Trégua humanitária no Iémen

O encontro em Washington acontece em um momento delicado no Oriente Médio. Ele será aberto poucas horas após o início da trégua humanitária no Iémen que deve pôr fim a sete semanas de bombardeios aéreos conduzidos por uma coligação árabe, liderada pela Arábia Saudita.

Essa trégua de cinco dias entrou em vigor às 23h de terça-feira (pelo horário local), mas combates foram registados nas regiões sul e leste do país. Um general saudita afirmou que os rebeldes bombardearam um posto na fronteira entre os dois países, minutos depois do início do cessar-fogo.

A trégua visa permitir a entrada de ajuda humanitária à população iemenita, vítima dos combates. O Irão confirmou que pretende encaminhar directamente ao porto de Aden um navio de ajuda humanitária, sem passar pela plataforma da ONU, como exigem os Estados Unidos. (rfi.fr)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA