Costa diz que PS resistiu a fazer promessas que não pode cumprir

(LUSA)
(LUSA)
(LUSA)

O líder do PS, António Costa, disse sábado à noite no Algarve que o partido soube “resistir às pressões” de fazer promessas que não pode cumprir, considerando que essa é a diferença fundamental em relação ao atual Governo.

“Fomos muito pressionados para propor isto e propor aquilo, mas soubemos resistir às pressões”, declarou o secretário-geral do PS, num encontro com militantes em Faro.

Segundo sublinhou, a diferença fundamental para com a política do Governo é o facto de o PS rejeitar assumir compromissos que não pode honrar.

António Costa considerou que um dos maiores erros que o Governo cometeu foi querer fazer “tudo ao mesmo tempo”, ao cortar simultaneamente na despesa pública e asfixiar a economia privada, e mostrou-se perplexo com o facto de Passos Coelho lamentar não ter conseguido reduzir os custos do trabalho.

“É neste país onde os salários tanto baixaram e onde 10% dos que trabalham que vivem abaixo do limiar da pobreza que o primeiro-ministro entende que a grande reforma que falta fazer é reduzir ainda mais os custos do trabalho? Mas em que país vive este primeiro-ministro?”, questionou.

Segundo o secretário-geral do PS, antes das eleições, o PSD prometeu “o contrário” do que fez e, depois das eleições, durante os últimos quatro anos, disse que só fazia o que fez “obrigado pela ‘troika'”.

“Agora que já não temos ‘troika’, querem continuar a fazer o mesmo porque, verdadeiramente, esta é a política deles e não sabem fazer outra coisa”, observou, acusando o Governo de ter os cofres cheios de “nova dívida para pagar a dívida antiga”, porque a dívida “é hoje maior do que era anteriormente”.

António Costa aproveitou a ocasião para reiterar que não é necessário esperar pela próxima legislatura para devolver os salários da função pública e a sobretaxa de IRS, sublinhando que isso pode acontecer já em 2016.

Insistiu ainda que, caso o PS vença as eleições legislativas, não haverá novos cortes nas pensões a pagamento e defendeu que o salário mínimo nacional deve continuar a ser atualizado.

À chegada à Escola de Hotelaria e Turismo de Faro, onde decorreu o encontro com militantes do PS, António Costa era esperado por elementos do grupo “Ilhéus”, que aproveitaram a ocasião para protestar contra as demolições nas ilhas barreira da Ria Formosa.

Representantes das comissões de moradores das ilhas apelaram ao secretário-geral do PS para que interceda a seu favor, queixando-se de falta de diálogo com o Governo, e António Costa prometeu-lhes que iria falar com o presidente da Câmara de Faro. (noticiasaominuto.com)

por Lusa

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA