Comandante português reconhece investimentos da MGA na formação dos militares

COMANDANTE DO NAVIO FIGUEIRA DA FOZ, PEDRO DE LUCENA COELHO DIAS (Foto: Angop)

O comandante do navio patrulha Oceânia Figueira da Foz, Pedro Lucena Coelho Dias, reconheceu hoje (sábado), em Luanda, que a Marinha de Guerra Angolana (MGA) tem estado a investir positivamente na formação técnico profissional dos militares.

COMANDANTE DO NAVIO FIGUEIRA DA FOZ, PEDRO DE LUCENA COELHO DIAS (Foto: Angop)
COMANDANTE DO NAVIO FIGUEIRA DA FOZ, PEDRO DE LUCENA COELHO DIAS (Foto: Angop)

O oficial da marinha portuguesa fez este pronunciamento quando se dirigia a jornalistas angolanos, após a sua chegada a Base Naval de Luanda, proveniente do Ambriz, no quadro da cooperação bilateral entre as duas instituições militares.

Por outro, deu a conhecer que durante a sua estadia no país irão realizar exercícios conjuntos com os fuzileiros navais angolanos e mergulhadores, para que as duas forças possam estar melhor entrosadas e enfrentar desafios futuros.

Por este motivo, disse acreditar que esta troca de experiência permitirá um maior enriquecimento das mesmas.

Segundo o comandante, apesar de o navio não ser construído para operações militares, ainda assim está a apoiar missões de guerra e ajudar a fiscalizar as águas territoriais.

Por seu turno, o capitão de mar guerra Luís dos Santos, da Marinha de Guerra Angolana (MGA), apontou que a presença do navio português é uma mais valia no que toca a troca de experiência entre as duas instituições.

Referiu ainda que ela representa também a maturidade e dela resultarão, certamente, ganhos na medida em que se esta empenhado na formação de quadros.

O navio trás uma tripulação de 60 pessoa, sendo 54 masculino e 6 do sexo feminino, tem como 2ª Imediata (Comandante) uma mulher, uma (1) médica, 3 delas electricistas.

Após deixar o país, dia 5 de Junho, a embarcação seguirá para a Guiné Equatorial. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA