Cimeira da CIRGL condena acção dos rebeldes do SPLM-IO

Sala Geral da Cimeira dos Chefes de Estados dos Grandes Lagos (Foto: Francisco Miudo)
Sala Geral da Cimeira dos Chefes de Estados dos Grandes Lagos (Foto: Francisco Miudo)
Sala Geral da Cimeira dos Chefes de Estados dos Grandes Lagos (Foto: Francisco Miudo)

A Cimeira Extraordinária da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (CIRGL) condenou fortemente, nesta segunda-feira, os rebeldes do SPLM-IO e do seu líder, Riek Machar, pela contínua intransigência e rejeição dos acordos e compromissos anteriores, essenciais para o cessar-fogo e resolução pacífica do conflito na República do Sudão do Sul.

A condenação vem expressa no comunicado final da cimeira, lido pelo ministro angolano das Relações Exteriores, Georges Chikoti, no qual exorta a equipa de mediação dos históricos partidos africanos de libertação (ANC, Chama Cha Mapanduzi e NRM) a reunirem-se urgentemente e analisarem o estado de implementação do acordo de reunificação do SPLM.

Segundo o comunicado, esta iniciativa visa garantir conclusivamente o engajamento dos rebeldes do SPLM-IO para um acordo negociado, conforme aceite pelo governo, e posteriormente aplicar a devida designação da CIRGL.

A cimeira defendeu a soberania e legitimidade do governo eleito do Sudão do Sul, felicitando-o pelo engajamento nas negociações de paz, apesar das contínuas violações dos rebeldes do SPLM-IO.

Exorta-os a aceitarem e participarem na formação do governo inclusivo de transição e de unidade nacional, que já foi aceite pelo governo da Sudão do Sul.

O documento sublinha que nenhumas sanções de ONU ou embargo de armas sejam aplicadas ao Sudão do Sul, uma vez que seriam contraproducentes e só serviriam para exacerbar a situação do país.

A cimeira aplaudiu o papel de apoio e de observador da troika CPA (governo da Noruega EUA e Reino Unido) no processo de paz liderado por IGAD, e exortou a continuar o seu engajamento positivo, sem participar directamente no processo de mediação.

Apelou ao aumento da assistência humanitária ao Sudão do Sul, pela comunidade internacional, e exortou os Estados membros da CIRGL a mobilizarem recursos financeiros e outros para estancar o número crescente de civis deslocados, como resultado do conflito.

Participaram no evento, que decorreu no Centro de Convenções de Talatona, além do anfitrião, os presidentes do Sudão do Sul, Salva Kiir, da Zâmbia, Edgar Lungu, de Transição da República Centro-Africana, Catherine Samba Panza, da RDC, Joshef Kabila, do Sudão, Salva Kiiri o vice-presidente do Sudão, Hassabo Mohamed, e a ministra dos Negócios Estrangeiros do Ruanda.

O Chefe de Estado da África do Sul, Jacob Zuma, participou na cimeira na qualidade de observador. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA