BCI Angola nega existência de ‘buraco’ de 18,5 milhões de euros

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

O BCI Angola nega a existência de um buraco nas contas do banco. “Não existe buraco nas contas do BCI nem houve qualquer deteção por parte da KPMG”, adianta o BCI, numa nota de esclarecimento a que o Dinheiro Vivo teve acesso.

Segundo o banco, “por se tratarem de situações ocorridas no passado, antes da tomada de posse da actual administração em finais de 2011, perfeitamente do seu domínio e por si monitoradas e que vêm sendo progressivamente regularizadas à medida que as demonstrações financeiras possam comportar”.

O esclarecimento do BCI surge na sequência de uma notícia do jornal Expansão que indicava que a KPMG teria detetado um ‘buraco’ de 2,3 mil milhões de kwanzas (cerca de 18,5 milhões de euros) “sem suporte documental” nas contas do BCI (Banco de Comércio e Indústria), após uma auditoria às suas demonstrações financeiras respeitantes aos anos de 2014 e 2013.

“A rubrica ‘outras operações ativas a regularizar’ não resulta de buraco algum, mas de operações não registadas corretamente, algumas com saldos contranatura, não encerramento de contas interdepartamentais e pendentes decorrentes do processo de conversão por altura da migração do PCIF para o CONTIF. Para vosso conhecimento esta reserva já consta do Parecer dos Auditores desde 2011, na altura com valores de maior magnitude, e que vêm sendo regularizadas à medida que as situações a elas associadas são identificadas, o que não tem sido fácil por se tratarem de situações muito antigas”, adianta o BCI.

A instituição financeira acrescenta ainda que “os auditores apenas fazem referência que havia esta limitação nas contas de 2013, mas em 2014 a situação estava sanada com a incorporação dos ajustes nas contas de 2014”. (dinheirovivo.pt)

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA