Angolanos vão se especializar no controdo da qualidade de medicamentos

Ministro da Saúde, José Van-Dúnem (Foto: Antonio Escrivao/Arquivo)
Ministro da Saúde, José Van-Dúnem (Foto: Antonio Escrivao/Arquivo)
Ministro da Saúde, José Van-Dúnem (Foto: Antonio Escrivao/Arquivo)

O ministro angolano da Saúde, José Van-dúnem, admitiu nesta segunda-feira, em Havana (Cuba), a possibilidade de cerca de 80 finalistas em medicina se especializarem nas áreas de controlo, fiscalização de medicamentos e equipamentos médicos, na perspectiva da criação da futura entidade nacional reguladora.

José Van-dúnem, que falava à imprensa sobre a importância da visita do Vice-presidente da República, Manuel Vicente, ao centro para o controlo estatal da qualidade de medicamentos e equipamentos médicos de Havana, disse que a questão tem sido já discutida com o seu homólogo cubano, com quem tem avaliado a possibilidade de se explorarem novas áreas de cooperação, apesar da exiguidade de recursos.

Sublinhou a necessidade de se melhorar do ponto de vista da regulamentação, para se ganhar tempo, alcançar a eficiência com formação em domínios do controlo da qualidade e da luta contra a falsificação de medicamentos.

Salientou que a agência ou instituto regulador de medicamentos e equipamentos médicos joga um papel importante na luta diante da contrafacção, controlo de qualidade e registo de medicamentos.

Lembrou que a estrutura visitada garante a aquisição de meios médicos com a qualidade requerida para serem introduzidos no comércio, com preços de acordo com os do mercado.

Considerou haver uma certa preocupação com a dívida com Cuba, mas que resulta do actual quadro mundial resultante da baixa do preço do petróleo, e consequentemente a revisão do orçamento geral de Estado de 2015.

“Há necessidade de se refazer os ajustes. O estado angolano está a se preparar para ressarcir a dívida, apesar do débito vamos continuar a promover acções com ganhos comuns”, sublinhou, realçando que há necessidade de se aprender as estratégias que os cubanos tomaram para se resistir a carência de recursos, visando manter os ganhos alcançados, sem grandes perdas. (portalangop.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA