A cinco meses das eleições há mudanças na diplomacia

(DR)
(DR)
(DR)

O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros Martins da Cruz critica regresso de governantes à carreira diplomática mas defende que Governo pode nomear embaixadores “até ao último dia em funções”.

Faltam cerca de cinco meses para as eleições legislativas. Mas nesta ‘reta final’, o Governo vai levar a cabo uma rotação diplomática que envolve alguns dos pontos mais cruciais para a diplomacia portuguesa. Há membros do Executivo à espera de regressar à carreira diplomática e o PS critica o timing das alterações, revela o Diário Económico.

Em causa estarão mais de uma dezena de cargos, com o mesmo jornal a especificar que entre estes se incluem postos particularmente relevantes, como Luanda, Berlim, Washington e a chamada representação permanente de Portugal na União Europeia, para onde deverá ir Nuno Brito, antigo assessor de Durão Barroso e atualmente diplomata em Washington.

Tal como em 2012, altura em que Paulo Portas colocou a mulher de Nuno Brito, Rosa Batoréu, no mesmo posto diplomático, o casal deverá reencontrar-se em Bruxelas, onde Rosa Batoréu já se encontra. Já o atual secretário de Estado da Justiça, António Costa Moura, deverá voltar à carreira diplomática quando o Governo terminar o seu mandato (deverá assumir um lugar em Helsínquia). Madalena Fischer, chefe de gabinete de Paulo Portas, estará a caminho da embaixada portuguesa no Cairo, Egito.

O Diário Económico adianta ainda que o ministério tutelado por Rui Machete confirma que há uma rotação diplomática em curso, defendendo que tal se deve ao objetivo de “assegurar o normal funcionamento do ministério [dos Negócios Estrangeiros]”.

Da parte do PS, principal partido da oposição e em primeiro lugar nas sondagens relativas às eleições legislativas, surgem críticas. O PS está contra esta rotação, envolvendo lugares ‘chave’, a poucos meses do fim do mandato, mudanças que estão a ser preparadas sem que o partido tenha sido ouvido.

O deputado Sérgio Sousa Pinto deu voz às queixas socialistas, adiantando que o partido se insurgiu “contra a escala das mudanças, havendo um ciclo político tão próximo. (noticiasaominuto.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA