Rússia, China, Venezuela e Angola boicotam reunião informal da ONU sobre a Crimeia

(AP Photo/ Osamu Honda, File)
(AP Photo/ Osamu Honda, File)
(AP Photo/ Osamu Honda, File)

Quatro membros do Conselho de Segurança da ONU – Rússia, China, Venezuela e Angola – recusaram-se a participar de uma reunião na quinta-feira (19) sobre a Crimeia.

A reunião a portas fechadas, iniciada pela Lituânia, foi assistida por Mustafa Dzhemilev, membro do Parlamento ucraniano e ex-chefe da comunidade de tártaros da Crimeia.

A missão permanente da Rússia na ONU classificou o evento como “contraproducente e provocador”, assegurando que a delegação russa não tomaria parte nele e acrescentando que as delegações de vários outros países também não o fariam.

A enviada da Lituânia na ONU, Raimonda Murmokaite, confirmou a jornalistas que os representantes dos quatro países de fato não compareceram à reunião. A diplomata também criticou as autoridades russas, dizendo que elas só dariam atenção às violações dos direitos humanos cometidas pelas forças de Kiev. Segundo ela, violações também foram relatadas nas áreas controladas por grupos armados no leste da Ucrânia, bem como na Crimeia.

A reunião foi realizada no formato conhecido como “Fórmula Arria”, que ocorre quando um dos membros do Conselho de Segurança convida os demais para uma reunião informal fora das instalações do órgão para discutir algum tema com atores não estatais que possuam conhecimento considerado relevante.

No início de Março, o enviado da Rússia nas Nações Unidas, Vitaly Churkin, disse que Moscovo não iria discutir a questão da Crimeia na qualidade de membro do Conselho de Segurança, na medida em que a península é assunto federal da Rússia. Na ocasião, o diplomata lembrou que uma recente pesquisa de opinião realizada por um instituto alemão mostrou que 93% dos cidadãos da Crimeia disseram apoiar a reunificação com a Rússia. “Nós não precisamos provar nada”, disse Churkin.

A Crimeia e a cidade de Sebastopol adoptaram declarações de independência em 11 de Março de 2014. Cinco dias depois, realizaram um referendo no qual 96,77% dos habitantes da Crimeia e 95,6% dos eleitores de Sebastopol escolheram se separar da Ucrânia e se juntar à Rússia. O presidente russo, Vladimir Putin, assinou os acordos de reunificação em 18 de Março do mesmo ano. (sputniknews.com)

DEIXE UMA RESPOSTA