Redução da taxa de mortalidade é prioridade no sistema nacional de saúde

Jovelina Imperial - Vice-governadora de Luanda, no encontro sobre Gestão da Saúde (Foto: Henri Celso)
Jovelina Imperial - Vice-governadora de Luanda, no encontro sobre Gestão da Saúde (Foto: Henri Celso)
Jovelina Imperial – Vice-governadora de Luanda, no encontro sobre Gestão da Saúde (Foto: Henri Celso)

A redução da taxa de mortalidade materna, o acesso universal à saúde reprodutiva devem constar da lista de prioridades do sistema de saúde no presente ano, asseverou nesta quinta-feira, em Luanda, a vice- governadora provincial para esfera política e social, Jovelina Imperial.

A responsável fez este apelo quando procedia a abertura do “III Encontro Metodológico sobre Gestão da Saúde em Luanda”, que dentre outras questões prevê a padronização do funcionamento da rede sanitária na província nos aspectos clínicos, administrativos e financeiros.

De acordo com a vice-governadora, o acesso universal à saúde reprodutiva na rede do sistema único de saúde deverá constar da lista de prioridades do sistema, devendo contemplar os novos desafios e ameaças de sanidade pública.

Jovelina Imperial disse que para isso torna-se necessário reforçar as infra-estruturas de saúde, passando pelo aumento da produção e qualificação dos seus profissionais, o financiamento sustentável dos serviços de saúde e o acesso às tecnologias essenciais de saúde.

Desta forma, prosseguiu, deve-se permitir que cada cidadão tenha acesso aos cuidados de saúde de qualidade, sempre que necessário, sem ter de incorrer a despesas incrementadas com a saúde.

Apelou aos profissionais para reforçarem as boas práticas de gestão administrativa e a ética no exercício da medicina.

Promovido pelo Gabinete Provincial de Saúde de Luanda, o III Encontro Metodológico sobre Gestão da Saúde em Luanda está a decorrer na Escola Técnica de Saúde até sexta-feira próxima.

Participam do encontro gestores e profissionais do ramo da saúde em Luanda, com o objectivo de estarem melhor preparados para implementarem o novo modelo administrativo, bem como saber lidar e buscar soluções para os problemas e articulações estruturais que se impõem. (portalangop.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA