Preso checheno diz que planeou assassinato de Nemtsov por críticas ao islão

Zaur Dadayev (Reuters)
Zaur Dadayev (Reuters)
Zaur Dadayev (Reuters)

Moscovo – Zaur Dadaev, o checheno detido pelo assassinato do oposicionista russo Boris Nemtsov, confessou ser o autor intelectual e único organizador do crime, motivado pelas críticas do político ao islamismo e por seu apoio às caricaturas do semanário francês “Charlie Hebdo” ao profeta Maomé, segundo a agência russa “Rosbalt”.

“Dadaev confessou ser o organizador do crime” e disse que tomou sua decisão pelas reiteradas críticas de Nemtsov aos muçulmanos que vivem na Rússia, contra o profeta Maomé e ao próprio islamismo, disse à agência uma fonte da policia muito próxima à investigação.

As autoridades russas acreditam ter provas suficientes para acreditar na confissão de Dadaev, “por isso já não se deve esperar grandes revelações ou prisões”, acrescentou a fonte.

Dadaev, ex-agente das forças especiais chechenas, revelou à polícia todos os detalhes do assassinato, segundo a fonte, e reconheceu a participação no crime dos outros quatro detidos.

Após decidir que o político liberal russo devia ser punido por suas críticas ao islão, Dadaev entrou em contacto com dois sobrinhos, Zaur e Shajid Gubashev, que estavam a uma década vivendo nos arredores de Moscovo, e que por sua vez envolveram na trama outros dois chechenos, Tamerlan Ekserjanov e Jamzat Bakhaev.

Segundo a investigação, os suspeitos souberam pela internet que às 20h (locais) do dia 27 de Fevereiro Nemtsov participaria nos estudos da emissora “Eco de Moscovo” de um programa ao vivo.

Imagens das câmaras colocadas nos arredores do estúdio indicam que os supostos assassinos seguiram seu alvo de carro a partir deste local, segundo a agência “Rosbalt”.

Horas mais tarde, por volta das 23h30 (locais), Nemtsov foi assassinado com quatro tiros nas costas quando caminhava com a modelo ucraniana Anna Duritskaya por uma ponte em pleno centro da capital russa, a poucos metros da Praça Vermelha.

Aparentemente, os assassinos os seguiram primeiro até um centro comercial na Praça Vermelha, onde Nemtsov jantou com a modelo, e depois até a ponte onde, segundo a confissão de Dadaev, o opositor foi morto.

Pouco depois do atentado contra a redacção do “Charlie Hebdo” em Janeiro, Nemtsov apoiou aos jornalistas do semanário francês e justificou suas caricaturas contra Maomé.

O opositor escreveu em seu blog da “Eco de Moscovo” que “o islamismo se encontra na Idade Média” e qualificou a tragédia da França e o terrorismo jihadista de “inquisição islâmica”. (EFE)

DEIXE UMA RESPOSTA