Presidente Denis Sassou Nguesso aguardado em Luanda para visita de Estado

Denis Sassou-Nguesso, Presidente do Congo Brazzaville (Foto: Pedro Parente)
Denis Sassou-Nguesso, Presidente do Congo Brazzaville (Foto: Pedro Parente)
Denis Sassou-Nguesso, Presidente do Congo Brazzaville (Foto: Pedro Parente)

O Presidente da República do Congo, Denis Sassou Nguesso, é aguardado segunda-feira, em Luanda, para uma visita de estado, deu a conhecer em entrevista à imprensa o director para África e Médio Oriente do Ministério das Relações Exteriores, Joaquim do Espírito Santo.

De acordo com o embaixador Espírito Santo, que falava à margem da reunião de peritos que prepara a VII Reunião Bilateral entre os dois países, acrescentou que o programa da visita será divulgado oportunamente.

Reforçou ainda que, o quadro da visita do Presidente congolês, eventualmente, poderá ser assinado um acordo no domínio da Defesa, que prevê o intercâmbio de experiências e de acções no domínio da formação.

“Pensamos que é importante fazer isso com os países vizinhos, alias a política externa angolana estabelece prioridades e, dentro destas, estão em primeiro plano os países fronteiriços”, referiu.

“Por esta razão é que nós queremos que esta Comissão Bilateral, que vai culminar com a visita do Presidente Denis Sassou Nguesso, possa marcar uma nova etapa no relacionamento entre estes dois países vizinhos”, acrescentou.

Referiu que durante a Comissão Bilateral, cujo termino está previsto para segunda-feira, será aproveitado também para o balanço de toda a cooperação, revisitando todos os acordos rubricados anteriormente, “apesar de infelizmente poucos serem poucos os que estão a ser cumpridos, por factores diversos”.

Dai que a Comissão Bilateral servirá para o balanço da cooperação entre Angola e o Congo e dar um novo impulso à cooperação, uma vez que são dois estados vizinhos que partilham uma longa fronteira.

Para Joaquim do Espírito Santo o que falta é um maior estimulo às relações económicas, uma vez que as relações políticas são boas e tradicionais, mas necessitamos de olhar um pouco mais para as questões económicas de modo a olhar um pouco mais para que esta possa trazer benefícios tangíveis para os dois povos. (portalangop.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA