Portas: “Não fui a Angola tratar do BES”

(Foto: D.R.)

 

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

O vice-primeiro-ministro foi ao Parlamento dizer que a viagem que realizou a Angola, uma semana antes da intervenção no BES, não teve os problemas do banco de Ricardo Salgado como agenda. E garantiu que não discutiu com José Eduardo dos Santos sobre a garantia estatal aos créditos do BESA. “Eu não fui a Angola tratar do BES. Fui a Angola à inauguração da Feira Internacional de Luanda”, disse Paulo Portas na comissão de inquérito ao BES. O governante sublinhou ainda que a visita a Angola “estava marcada há muitos meses”.

“Estranho seria se a desmarcasse.” Questionado pela deputada do BE Mariana Mortágua, Paulo Portas repetiu por várias vezes “que iria a Angola em qualquer circunstância e não por causa do BES”. “Nem pedi uma audiência ao presidente [José Eduardo dos Santos] por causa do BES”, frisou. Mariana Mortágua recordou que Portas disse aos jornalistas, no final do encontro com José Eduardo dos Santos, que confiava nas medidas de estabilização que o Banco de Portugal e o Banco Nacional de Angola estavam a tentar encontrar.

“Não tive uma conversa a sós com o Presidente de Angola. Comentámos inúmeros temas da atualidade bilateral dos dois países”, relatou o vice-primeiro-ministro. Paulo Portas disse ainda que se recorda de José Eduardo dos Santos “ter dito que haveria perdas privadas no âmbito do BESA e que provavelmente teria de haver um aumento de capital”. Paulo Portas ainda afirmou que as conversas com chefes de Estado e de Governo estão obrigadas a dever de reserva. E deixou um recado, na sequência desse comentário, à deputada bloquista: “Um dia que o seu partido seja Governo vai perceber que estas regras existem.”  (cmjornal.xl.pt)

DEIXE UMA RESPOSTA