Polícia Militar desempenha papel de manter disciplina nas FAA

General Egidio de Sousa e Santos (Foto: Lino Guimarães)
General Egidio de Sousa e Santos (Foto: Lino Guimarães)
General Egidio de Sousa e Santos (Foto: Lino Guimarães)

O chefe do Estado-Maior em exercício das Forças Armadas Angolanas, Egídio de Sousa e Santos, disse terça-feira, em Luanda, que a polícia militar deve manter a disciplina e organização no seio dos militares, para contribuir na consolidação do exercício da tropa e manutenção dos objectivos previamente definidos.

O general falava no acto de encerramento do décimo curso de especialidade de Polícia Militar, decorrido na Unidade de Polícia Militar, com o objectivo de formar especialistas neste ramo das forças armadas.

O vice-chefe do Estado-Maior das FAA para Educação Patriótica disse que todos estão sensibilizados de que as instituições sociais regem-se por um conjunto de normas, das quais se criam valores, estando a polícia militar ou a polícia em geral compenetrados nesta ideia para que os mesmos sintam-se integrados nos regulamentos militares e da conduta cívica.

Por esta razão, o papel tem de ser aquele que permite criar valores de respeito às normas, à manutenção da imagem que a farda representa perante o cidadão comum, a instituição castrense e a sociedade.

O general lembrou que desenvolver o país exige a competição de todas as forças vivas da Nação, militares e civis, instituições e pessoas singulares, sendo a juventude o viveiro para a manutenção das instituições sociais, por ser o factor para a continuação das forças armadas angolanas, fortemente organizada e disciplina, garantindo assim a defesa da pátria.

Egídio de Sousa e Santos aconselhou os militares a continuarem a elevar os conhecimentos académicos, técnicos e profissionais, para poderem servir melhor o país em todas as circunstâncias e condicionalismo.

Alertou aos militares para observarem sempre a disciplina militar e a deontologia profissional, o espírito humanista na actuação policial, bem como adopção de medidas de segurança no manuseamento da técnica e meios colocados à disposição para facilitar o cumprimento das missões, com muita coragem, determinação e sacrifício, para serem excelentes especialistas e modelo exemplar a seguir.

Disse ainda que o curso terminado decorreu num momento em que se revela cada vez necessário o potenciamento do regimento e de outros escalões inferiores, com mais efectivos para que possa cumprir cabalmente a missão para o qual a polícia militar existe.

O curso de especialistas de polícia militar, que teve a duração de três meses, contou com a participação de 400 militares e vão apoiar a polícia nacional no combate à criminalidade em Luanda.

Os finalistas fizerem ainda demonstrações militares. (portalangop.co.ao)

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA