Namibe: MPLA esclarece militantes sobre baixa do petróleo

Rui Falcão (DR)
Rui Falcão (DR)
Rui Falcão (DR)

Os militantes, amigos e simpatizantes do MPLA na província do Namibe foram esclarecidos nesta sexta-feira sobre a “crise do petróleo e os seus efeitos na economia real”, durante uma palestra promovida pelo comité provincial do partido.

A palestra orientada pelo primeiro secretário provincial do MPLA, Rui Falcão, abordou os vários aspectos relacionados à baixa do preço do petróleo e os seus efeitos que podem afectar no normal crescimento e desenvolvimento do país.

Disse que Angola não está a viver a crise do petróleo, mas sim um decréscimo do valor do barril do petróleo no mercado internacional, havendo neste momento um excedente deste produto, o que faz com o seu preço baixe.

Disse que desde a conquista da independência e do alcance da paz a economia angolana tem vindo a crescer de forma sustentada,” porque paulatinamente se vai conquistando a independência económica”.

Referiu que a economia do mundo não é guiada pelos interesses dos angolanos, mas por um conjunto de factores aos quais todos estão submetidos, como os de ordem externa, que tem implicações directa na trajectória económica de Angola.

“Os militantes do MPLA devem saber bem sobre a nossa economia real, pois o OGE salvaguarda três aspectos fundamentais, como os do sectores da educação, saúde e a diversificação da economia nacional”.

“Para que esta seja diversificada é preciso primeiro resolver os problemas básicos e ainda os mais complexos “, acrescentou.

Mesmo com a baixa do preço do petróleo, Rui Falcao prometeu aos militantes do partido que os projectos prioritários para a província do Namibe vão continuar a ser executados, como os de abastecimento de água e fornecimento de energia eléctrica, construção de mais escolas e postos de saúde, entre outros.

“Vamos construir outras unidades no domínio da indústria, referindo-se à construção em curso da fábrica de processamento e centrado de tomate que se encontra na fase final e das pedras ornamentais. Mas é preciso também apostar na formação do homem e na investigação cientifica, para que se tenha de facto bons investimentos e crescimento”, finalizou.

A palestra contou com ainda com a participação de deputados, membros do governo, vice-governadores, juristas, economistas, universitários e outros convidados. (portalangop.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA