Milhares de pessoas prestam homenagem a Ricardo III da Inglaterra

Fila em Leicester para ver o caixão com o corpo de Ricardo III (Foto de BEN STANSALL/AFP)
Fila em Leicester para ver o caixão com o corpo de Ricardo III (Foto de BEN STANSALL/AFP)
Fila em Leicester para ver o caixão com o corpo de Ricardo III (Foto de BEN STANSALL/AFP)

Milhares de pessoas faziam fila na catedral de Leicester nesta segunda-feira para visitar a capela de Ricardo III, que será enterrado na quinta-feira, depois de passar séculos sob o que actualmente é um estacionamento nesta cidade inglesa.

Depois de mais de 500 anos como um personagem vil da história inglesa, o rei derrotado na batalha de Bosworth, em 1485, parece ter conquistado o afecto popular e 35.000 pessoas aguardavam para prestar homenagem na catedral desta cidade da região central da Inglaterra.

Nesta segunda-feira ele será objecto de uma missa de réquiem, parte das actividades organizadas até a nova sepultura na quinta-feira, em um caixão de carvalho feito por um de seus descendentes, o carpinteiro Michael Ibsen.

“Ricardo III não era um homem de paz. O tempo em que viveu e o papel que desempenhou por nascimento não permitiam. Mas agora rezamos por sua paz eterna”, afirmará o cardeal Vincent Nichols na homilia.

O caixão do monarca era protegido por veteranos das Forças Armadas.

“Com uma história tão escabrosa, mesmo depois da morte, é um rei e merece reconhecimento”, disse David Davies, de 80 anos, um dos visitantes.

O arcebispo de Leicester, Tim Stevens, disse que existe um “ar de reconhecimento” ao rei.

A morte aos 32 anos de Ricardo III (monarca entre 1483 ey 1485) acabou com a Guerra Civil das Duas Rosas, entre a casa de York e os Plantagenet.

Após sua morte, a coroa passou a Henrique VII e os reis da dinastia Tudor que, com a a ajuda de William Shakespeare e outros cronistas, descreveram Ricardo III como um vilão brutal e corcunda que não parava diante de nada, chegando a assassinar dois jovens sobrinhos para assegurar o trono.

O rei foi enterrado discretamente em um mosteiro franciscano que foi demolido em 1530 e o rastro de sua sepultura foi perdido até ser localizado, há três anos, em um estacionamento. (afp.com)

 

DEIXE UMA RESPOSTA