Israel: Netanyahu perde a liderança nas pesquisas a uma semana das eleições

(Foto: Emil Salman)
(Foto: Emil Salman)
(Foto: Emil Salman)

A menos de uma semana das eleições gerais, o partido do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu perdeu a liderança nas pesquisas de intenção de voto para um candidato que promete retomar as conversações de paz com os palestinos e afinar o discurso com a Casa Branca.

Duas pesquisas publicadas nesta quarta-feira mostram que Isaac Herzog, líder do Partido Trabalhista, está à frente de Netanyahu e seu partido, o Likud. A popularidade parece ter caído graças à percepção de que o primeiro-ministro se preocupa mais com ameaças de extremistas como a do grupo terrorista Estado Islâmico, ao invés de problemas económicos locais.

“Ele está preocupado com algo que não é tão relevante”, disse Avi Biton, dono de uma lanchonete e eleitor do Likud nas últimas eleições. “Hoje meus filhos não têm a possibilidade de casar e comprar uma casa. Se eles não podem fazer isso, o país não tem porque existir.”

Pesquisas divulgadas hoje pela Rádio do Exército Israelita e do jornal Haaretz mostraram que a União Sionista, uma aliança de legendas encabeçada pelo Partido Trabalhista de Herzog, conseguiria 24 dos 120 assentos da Knesset, o parlamento israelita, contra 21 do Likud.

As pesquisas também mostram que Netanyahu perdeu apoio popular depois de discursar no Congresso norte-americano na semana passada. Netanyahu usou da oportunidade para torpedear o acordo que está ser negociado entre o Irão e seis potências mundiais, entre elas os EUA.

No entanto, uma pesquisa divulgada pelo Canal 2 na terça-feira mostra que o Likud e seus aliados de linha dura ainda controlariam a maior parte do Parlamento, o que dificultaria a formação de um governo encabeçado pela Herzog.

Caso consiga formar uma coligação, Herzog seria o primeiro líder do Partido Trabalhista em dezasseis anos. A legenda dominou a cena política israelita durante as três primeiras décadas de existência do país, e iniciou as negociações de paz com os palestinos nos anos 1990. (Dow Jones Newswires)

DEIXE UMA RESPOSTA