Escritores angolanos mais estudados em Portugal

Carmo Neto levou literatura angolana a faculdade de letras da universidade de Lisboa (Foto: Arquivo/António Escrivão)
Carmo Neto levou literatura angolana a faculdade de letras da universidade de Lisboa (Foto: Arquivo/António Escrivão)
Carmo Neto levou literatura angolana a faculdade de letras da universidade de Lisboa (Foto: Arquivo/António Escrivão)

A União dos Escritores Angolanos (UEA) procedeu a entrega de títulos de escritores angolanos a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, no âmbito do processo de promoção, distribuição e assinatura de acordos de cooperação com instituições académicas e editoras europeias, com o fito de internacionalizar cada vez mais a literatura angolana.

Entre os títulos entregues pelo secretário- geral da União dos Escritores Angolanos (UEA), António do Carmo Neto, particulariza-se seis antologias em português, todas elas já traduzidas em inglês, francês, árabe, italiano e alemão.

Num encontro informal com Paulo Farmhouse Alberto, director da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Carmo Neto referiu que a preferência pelas ofertas de antologia à Biblioteca da Universidade e ao Instituto Internacional de Literatura decorre do facto de se procurar que um maior número de autores angolanos possa estar exposto nas academias para se tornarem conhecidos e estudados.

“Essas obras que entregámos à Faculdade de Letras servirão para colmatar a lacuna existente quanto à ausência de obras de autores angolanos na sua Biblioteca. Até mesmo alguns escritores nossos de reconhecido prestígio internacional não constavam na biblioteca da referida instituição. Igualmente, ao privilegiarmos a oferta de um maior número de antologias, queremos que um leque mais diversificado de autores possa estar disponível aos leitores universitários e não só. Além disso, essas mesmas antologias, tendo sido traduzidas já em inglês, francês, árabe, italiano e alemão, seguirão para o Instituto Universal de Literatura”, disse.

Por seu lado, Paulo Farmhouse Alberto agradeceu o gesto da UEA e aproveitou a oportunidade para manifestar o interesse da instituição académica cooperar de forma permanente com a UEA a fim de incentivar a leitura e o estudo de obras de autores angolanos, devido à evidente qualidade que ela apresenta na sua globalidade.

Fruto dessa parceria vantajosa, no início do segundo semestre deste ano, acontecerá na Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa uma mesa redonda internacional sobre literatura angolana, onde estarão presentes estudiosos para fazerem uma radiografia da literatura produzida em Angola.

Acto subsequente, e ainda na esteira do acordo, está já programado o lançamento, no auditório daquela instituição do ensino superior, da próxima obra do escritor Roderick Nehone, intitulada “Filho querido”, uma cerimónia que vai também confirmar a parceria que a UEA estabeleceu com o grupo Leya para a co-edição da autores angolanos.

O acordo com a Leya visa essencialmente facilitar a circulação, distribuição e venda de obras de autores angolanos no espaço da União Europeia, particularmente em Portugal.

A UEA foi proclamada em 10 de Dezembro de 1975, em sessão que contou com a presença do Presidente Agostinho Neto, que proferiu um discurso programático onde reflectiu sobre a dimensão cultural de Angola.

O seu primeiro presidente da assembleia-geral foi Agostinho Neto. O seu primeiro secretário-geral foi Luandino Vieira.

Entre os objectivos da UEA destacam-se a promoção da defesa da cultura angolana como património da Nação e o incentivo a criação literária dos seus membros, proporcionando-lhes condições favoráveis ao seu trabalho intelectual e à difusão das suas obras.

Propiciar a revelação de novos escritores, bem como fortalecer os laços com a literatura e as artes dos outros povos fazem parte dos objectivos da UEA. (portalangop.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA