Crimeia: EUA manterão sanções até fim do domínio russo

(PAUL J. RICHARDS/AFP/Getty Images)
(PAUL J. RICHARDS/AFP/Getty Images)
(PAUL J. RICHARDS/AFP/Getty Images)

Washington comprometeu-se a manter as sanções impostas a Moscovo pela anexação da Crimeia, enquanto a península permanecer sob domínio russo, e pediu ao presidente Vladimir Putin que ponha fim à ocupação.

“Neste primeiro ano de aniversário do fraudulento ‘referendo’ na Crimeia, realizado em clara violação da lei e da Constituição ucraniana, os Estados Unidos reiteram sua condenação de uma votação que não foi voluntária, transparente, ou democrática”, criticou a porta-voz do Departamento de Estado americano, Jen Psaki.

A Rússia deu início a três dias de celebrações na Crimeia para marcar um ano de anexação da península, que se seguiu a um referendo, em uma mudança histórica condenada tanto pela Ucrânia quanto por países ocidentais – sobretudo, EUA e os europeus.

Autoridades pró-Moscovo disseram que quase 97% da população da Crimeia se pronunciou a favor da anexação, mas a votação não pôde ser acompanhada por observadores independentes.

“A Rússia usou seu Exército para tomar e ocupar a Crimeia à força, território de soberania ucraniana, e aí encenou um referendo ilegal em uma frágil tentativa de justificar suas acções”, disse Psaki à imprensa.

“Ao longo do último ano, a Rússia instituiu uma repressão em larga escala na Crimeia, afastando ONGs e levando as minorias não-russas, incluindo os tártaros da Crimeia, a fugir, ou a se esconder”, acrescentou a porta-voz.

“Esta semana, no momento em que a Rússia tenta validar sua cínica e calculada ‘libertação’ da Crimeia, reafirmamos que as sanções relacionadas à Crimeia vão permanecer enquanto a ocupação continuar”, garantiu Jen.

Ela também mencionou um documentário exibido no domingo, no qual o presidente Putin explica como deu “instruções directas” às Forças Armadas russas para uma missão rápida e sem derramamento de sangue para retomar a península do governo ucraniano. O território foi transferido em 1954 da jurisdição de Moscovo para Kiev pelo então líder soviético Nikita Khrushchev.

“Há um ano, o presidente Putin disse ao mundo que as forças militares não estavam intervindo na Crimeia. Ele agora reconhece para o mundo que as forças russas de fato intervieram, e essas são suas próprias palavras”, declarou Psaki.

“Então, isso certamente coloca em xeque a credibilidade das alegações feitas hoje de que o Exército russo não está intervir no leste da Ucrânia”, afirmou a porta-voz. (afp.com)

DEIXE UMA RESPOSTA