Cooperação entre Angola e Congo exige compromissos fortes

Ciprier Sylvestre Mamina - Secretário Geral do M.N.E (Foto: Francisco Miudo)
Ciprier Sylvestre Mamina - Secretário Geral do M.N.E (Foto: Francisco Miudo)
Ciprier Sylvestre Mamina – Secretário Geral do M.N.E (Foto: Francisco Miudo)

A cooperação entre as repúblicas de Angola e do Congo poderá beneficiar ainda mais do actual momento de excelente relacionamento político ao mais alto nível, porém exige compromissos fortes que criem uma atmosfera que potencie o relacionamento institucional e privado de ambos os países.

Esta afirmação é do embaixador Joaquim do Espírito Santo, director para África e Médio Oriente, quando falava na abertura da reunião de peritos que visa preparar a VII comissão Mista Bilateral Angola/Congo.

Joaquim do Espírito Santo disse ainda que Angola e Congo precisam de consolidar, cada vez mais, as suas relações e construir uma parceria sólida, que aproxima ainda mais os seus povos e interesses comuns.

Acrescentou que é gratificante notar que os laços de cordialidade e de solidariedade, que caracterizam as relações entre os angolanos e congoleses, continuam a existir e têm sido reforçados, graças as interacções de alto nível entre os dois países.

“Não há dúvidas que nesta última década, Angola e Congo conheceram altos níveis de crescimento económico, desenvolvimento humano e estabilidade política”, disse.

Acrescentou que, apesar dos desafios de curto prazo que permanecem, os desafios económicos e as perspectivas de médio prazo são boas.

Referiu que o governo angolano continua a trilhar o caminho para a concretização de grandes desafios que visam a consolidação da paz, reforço da democracia, preservação da unidade nacional, promoção do desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida dos angolanos.

Salientou ainda que as relações entre os dois povos estão alicerçadas na longa história dos africanos, consubstanciada na independência política e afirmação económica no contexto das nações.

“Hoje os dois países vivem num contexto diferente, uma fase dinâmica e importante da sua historia, em que todos os esforços concorrem para o desenvolvimento económico e social, com vista a criação das condições para o bem-estar das populações”, disse.

Por sua vez, o secretário-geral do ministério dos Negócios Estrangeiros do Congo, Ciprier Sylvestre Mamina, referiu que os dois países partilham uma longa história com ambições de desenvolvimento integrado.

Realçou ainda o papel dos estadistas angolanos e congolês, no domínio da defesa, para a manutenção da paz e segurança no continente africano.

Os peritos, que reúnem-se até sexta-feira, preparam o encontro ministerial que vai decorrer no sábado, para fazer uma revisão das distintas áreas de cooperação.

O mesmo tem como objectivo aproximar os dois povos e contribuir para promover e harmonizar os seus interesses, tanto no plano bilateral, regional e internacional.

Tem também o condão de reafirmar o compromisso das partes de trabalhar continuamente na consolidação e preservação da paz, amizade, fraternidade, política de boa vizinhança e de resolução pacífica do diferendos. (portalangop.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA