Comandante militar americano visita o Iraque

O comandante do Estado-Maior das Forças Armadas americanas, Martin Dempsey, durante uma audiência no Congresso americano em 3 de março (Foto de Nicholas Kamm/AFP)
     O comandante do Estado-Maior das Forças Armadas americanas, Martin Dempsey, durante uma audiência no Congresso americano em 3 de março  (Foto de Nicholas Kamm/AFP)

O comandante do Estado-Maior das Forças Armadas americanas, Martin Dempsey, durante uma audiência no Congresso americano em 3 de março
(Foto de Nicholas Kamm/AFP)

O general Martin Dempsey, principal comandante das Forças Armadas dos Estados Unidos, desembarcou nesta segunda-feira em Bagdad, poucos dias depois do início de uma ofensiva para retomar de Tikrit, cidade sob controle do grupo Estado Islâmico (EI).

Durante a visita à capital iraquiana, o general americano se reunirá com as autoridades políticas e militares do país.

Dempsey viajou em um avião militar C-17 proveniente do Golfo, onde no domingo ele visitou o porta-aviões nuclear francês Charles de Gaulle, que participa nas operações militares da coalizão que luta contar o EI no Iraque.

Durante a visita ao porta-aviões, o general Dempsey afirmou que intensificar os bombardeios da coalizão internacional contra os jihadistas seria um erro.

Dempsey defendeu uma “calma estratégica” na campanha da aviação aliada – liderada pelos Estados Unidos – contra o grupo Estado Islâmico (EI) no Iraque e na Síria.

“Lançar uma chuva de bombas sobre o Iraque não é a solução”, afirmou Dempsey.

O general destacou ainda que a frequência dos ataques aéreos depende da capacidade do Exército iraquiano em terra e da vontade de Bagdad para se reconciliar com a população árabe sunita, que não confia nas forças de segurança.

As forças governamentais, apoiadas por milícias xiitas com o auxílio de militares iranianos, iniciaram na semana passada uma grande ofensiva para reconquistar Tikrit.

Situada 160 km ao norte de Bagdad, Tikrit, cidade natal do ditador falecido Saddam Hussein, é parte do vasto território controlado pelo EI no norte e oeste do Iraque. (afp.com)

 

DEIXE UMA RESPOSTA