Comandante do Exército defende continuo reforço na formação de quadros

General Lúcio do Amaral -Comandante do Exército (Foto: Lucas Neto)
General Lúcio do Amaral -Comandante do Exército (Foto: Lucas Neto)
General Lúcio do Amaral -Comandante do Exército (Foto: Lucas Neto)

O Comandante do Exército, general Lúcio Gonçalves Amaral, defendeu hoje, quarta-feira, em Cabo Ledo, município do Icolo e Bengo, província de Luanda, a necessidade de se continuar reforçar as acções com vista a formação de quadros e especialistas com qualificação académica e profissional capazes de manusearem convenientemente a nova técnica militar.

O dirigente militar fez essa referência quando discursava na cerimónia de abertura da VIII Reunião Metodológica dos Órgãos de Armamento e Técnica das Forças Armadas Angolanas que vai decorrer até dia 13 do corrente na Unidade Militar das Forças Especiais das FAA, baseada em Cabo Ledo.

De acordo com o general Lúcio Amaral os órgãos de Armamento e Técnica do Exército Nacional têm “um papel crucial a desempenhar quer em tempo de paz como de guerra”.

“A evolução da ciência militar e o recurso a tecnologia digital têm vindo a alterar o emprego da técnica e do armamento convencionais em qualquer cenário ou teatro operacional, obrigando as FAA a adequarem os seus efectivos às tecnologias modernas para enfrentarem os desafios mais modernos, onde o poder e a ciência caminham de mãos dadas”, precisou.

Frisou que “a aquisição da técnica e do armamento acarreta custos elevados ao Estado, consumindo uma boa parte do orçamento destinado às FAA e por essa razão torna-se imperioso o reforço de medidas de gestão parcimoniosa dos recursos financeiros alocados para o efeito, imprimindo uma utilização mais cuidadosa dos meios técnicos e do armamento tendo em conta os objectivos da defesa militar do país”.

A par do apetrechamento paulatino das unidades das FAA com nova técnica e armamento, o general Lúcio Amaral defendeu também a necessidade de se desenvolver acções tendentes à recuperação dos meios avariados.

Neste capítulo, (recuperação dos meios avariados) “os passos que têm sido dados até ao momento são bastantes encorajadores”, sublinhou o Comandante do Exército.

Durante os trabalhos os participantes irão avaliar de forma minuciosa o grau de cumprimento das principais actividades desenvolvidas durante o ano de instrução precedente, bem como das tarefas inerentes à preparação combativa, operativa e educativo – patriótico, bem como traçar as orientações e estratégias necessárias para o presente ano de instrução.

Dentre os temas em abordagem destacam-se a apresentação e análise do relatório de balanço dos órgãos de Armamento e Técnica, regulamento sobre os procedimentos de cálculo de previsão de gastos de Armamento e Técnica, planificação do sistema de abastecimento técnico nas FAA, gestão de risco operacional e efeitos dos explosivos e teatro naval de Angola e meios de ajuda à navegação. (portalangop.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA