Checheno que disse ter planeado assassinato de Nemtsov nega sua confissão

Zaur Dadaev (DR)
Zaur Dadaev (DR)
Zaur Dadaev (DR)

O checheno Zaur Dadaev, que tinha confessado ser o autor intelectual do assassinato do opositor russo Boris Nemtsov, voltou atrás em seu depoimento em uma entrevista ao defensor dos presos publicada nesta quarta-feira pelo jornal russo “Moskovski Komsomolets”.

“Pela rádio dizem coisas horríveis sobre nós. Achava que ao chegar a Moscovo poderia contar toda a verdade ao juiz, dizer-lhe que não sou culpado. Mas a juíza nem sequer me deixou falar”, disse Dadaev.

O ex-agente das forças especiais da Chechénia, detido na sexta-feira passada na vizinha república de Inguchétia, denunciou que a confissão lhe foi arrancada com surras e ameaças pelos agentes que praticaram a detenção.

“Eles deixaram-me dois dias com algemas nas mãos, algemas nos pés e um saco plástico na cabeça. Gritavam todo o tempo: Você matou Nemtsov? Eu respondia que não”, garantiu Dadaev.

Segundo a última versão de Dadaev, ele aceitou confessar quando lhe prometeram que libertariam seu amigo e antigo companheiro no batalhão Séver do Ministério do Interior da Chechénia, detido junto com ele.

“Aceitei. Pensei que assim lhe salvaria e chegaria vivo a Moscovo”, explicou Dadaev.

Pouco depois que a agência russa “Rosbalt” antecipou no domingo passado a confissão de Dadaev, o líder da Chechénia, Ramzan Kadyrov, saiu em defesa do detido ao declarar que “é um autêntico patriota que não poderia dar nem um passo contra a Rússia”.

“Lutei durante 11 anos contra os criminosos, defendendo os interesses da Rússia. Onde está a justiça? Onde devo colocar as medalhas com as quais me condecoraram pelo meu serviço?”, queixou-se Dadaev ao defensor dos presos.

A juíza Natalia Mushnikova anunciou ontem que Dadaev confessou seu envolvimento no assassinato de Nemtsov e ditou prisão preventiva para o ex-agente das forças especiais chechenas e seus supostos ajudantes, outros quatro cidadãos dessa república.

Tanto Vadim Projorov, o advogado do opositor russo assassinado com quatro tiros nas costas, como alguns de seus correligionários e partidários puseram em dúvida a motivação islamita alegada pelas autoridades que investigam o caso.

O advogado destacou que o assassinato “foi, com toda segurança, planeado” com participação dos serviços secretos russos, já que “ocorreu diante das próprias muralhas do Kremlin”.

O ex-primeiro-ministro e dirigente opositor Mikhail Kasianov, também comentou que não considera que os detidos sejam os que encomendaram a morte de seu colega e amigo, e tachou de “inadmissível” a versão que Nemtsov tenha sido baleado por radicais islamitas.

Segundo a “Rosbalt”, Dadaev confessou ter cometido o assassinato motivado pelas críticas de Nemtsov ao islão e sua defesa das caricaturas de Maomé publicadas pela revista francesa “Charlie Hebdo”. (EFE)

DEIXE UMA RESPOSTA