Angola deve organizar o sector das commodities

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

A antiga secretária da Organização Inter-Africana do Café (OIAC), Josefa Correia Sacko, afirmou em Luanda, que o país deve organizar melhor o sector das commodities (produtos de base) para fazer um melhor aproveitamento dos produtos desta fileira.

Em declarações à Angop, Josefa Sacko disse que o país deve sim produzir café, mas deve agregar valor e industrializar para criar postos de trabalho e reduzir a pobreza.

Lembrou que o Executivo angolano tem um programa de diversificação da economia mas ao nível do sector agrícola o café deve estar na primeira linha devido à importância deste produto de base no mercado internacional.

O café é o segundo produto de base mais comercializado mundialmente. Em África cerca de 25 países dependiam há alguns anos das receitas deste grão para o equilíbrio da balança de pagamento, mas hoje,

devido à fraca produção do continente muitos destes países estão a passar por dificuldades .

Informou que em relação à vários países africanos Angola tem uma vantagem comparativa, pois o país tem terras aráveis e uma qualidade de café reconhecida no mercado internacional.

Em relação à cafeicultura angolana, Josefa Sacko referiu que o quadro actual é preocupante, pois verifica- se uma falta de interesse por parte dos agricultores, apesar do Instituto Nacional do Café de Angola (Inca), estar a implementar várias actividades para a sua revitalização.

Segundo disse, o café tem a vantagem de ser um produto de base cotado no mercado internacional, cujos níveis hoje são aceitáveis e deveria incentivar qualquer agricultor.

Na opinião de Josefa Sacko, hoje torna-se necessário modernizar a agricultura angolana, incentivar a nova classe de agricultores dotando-os de conhecimento e de novas tecnologias, ao mesmo tempo que os institutos de agronomia devem estar equipados de forma a preparar a juventude.

Por outro lado, e na óptica de Josefa Sacko, o sector deve fazer mais marketing sobre as vantagens do sector agrícola, utilizando para tal a média para sensibilizar os jovens.

Disse também que o Instituto de Investigação Agrária deve apoiar os agricultores a mitigarem as questões climáticas, as pragas e doenças, sendo para tal necessário capacitar os centros de investigações.

“Acho que o nosso Executivo está a trabalhar neste sentido, mas também é bom que os agricultores se organizem em cooperativas para superarem este problema”, referiu.

A antiga secretária geral da OIAC é de opinião que país deve ter mega projectos para o relançamento efectivo da produção de café. (Angop/Expansão)

DEIXE UMA RESPOSTA