Amigo de Nemtsov diz ser absurda alegação de motivação islâmica para assassinato em Moscovo

Ilya Yashin (Foto: Savostyanov Sergei/Corbis )
Ilya Yashin (Foto: Savostyanov Sergei/Corbis )
Ilya Yashin (Foto: Savostyanov Sergei/Corbis )

Um amigo de Boris Nemtsov, o oposicionista russo morto a tiros em Fevereiro perto da Praça Vermelha, em Moscovo, disse que as sugestões de que ele foi morto por militantes islâmicos são absurdas e convenientes para o governo da Rússia, porque desvia as investigações das acusações de que autoridades estejam envolvidas.

As especulações sobre uma ligação islâmica foram reforçadas depois que investigadores acusaram um homem da região muçulmana da Chechénia pelo assassinato, e seu ex-chefe disse que o suspeito tinha ficado irritado com a publicação de caricaturas do profeta Maomé na revista satírica francesa Charlie Hebdo.

Essa linha de investigação vem sendo recebida com cepticismo pelas pessoas ligadas a Nemtsov. Elas acreditam que o Kremlin está determinado a tirar proveito da morte -embora as autoridades russas neguem envolvimento e não acham que fanáticos agindo isoladamente poderiam ter matado alguém tão perto do Kremlin.

“Nossos piores temores estão se tornando realidade”, disse Ilya Yashin, um dos líderes do pequeno partido de oposição liberal de Nemtsov, numa mensagem no Twitter na noite de domingo. “O homem que apertou o gatilho será responsabilizado, enquanto os que realmente ordenaram o assassinato de Nemtsov vão ficar livres.”

“A teoria absurda dos ‘investigadores sobre motivos islâmicos no assassinato de Nemtsov interessa ao Kremlin e tira Putin da linha de fogo”, acrescentou Yashin nesta segunda-feira, referindo-se ao presidente russo, Vladimir Putin.

Nemtsov, de 55 anos, era um ex-vice-primeiro ministro que se tornou crítico do Kremlin. Ele levou quatro tiros nas costas enquanto ia a pé para casa, perto da Praça Vermelha, em 27 de Fevereiro. Foi a figura mais expressiva da oposição a ser assassinada nos 15 anos de Putin no poder.

Nemtsov não era popular na Rússia, a não ser na pequena elite intelectual urbana. Mas seus defensores dizem que ele era uma ameaça para o Kremlin, porque estava determinado a expor a corrupção no governo.

Dias antes de ser morto ele estava trabalhando em um relatório que, segundo assessores, afirmaria que a Rússia envia tropas regulares para lutar no leste da Ucrânia. O governo russo nega qualquer envolvimento directo no conflito.

Os promotores acusaram dois homens, Zaur Dadayev e Anzor Gubashev, de envolvimento no assassinato de Nemtsov, e apontaram três outros como suspeitos. Autoridades dizem que Dadayev, que foi um comandante de batalhão de uma unidade da polícia chechena, admitiu envolvimento.

Ramzan Kadyrov, líder checheno leal a Putin, declarou que conhecia Dadayev e o descreveu como um verdadeiro patriota.

“Tudo o que sei é que Zaur (Dadayev) é profundamente religioso e também que ele, como todos os muçulmanos, ficou chocado com as actividades da Charlie e os comentários de apoio à publicação dos desenhos”, escreveu Kadyrov em sua conta no Instagram.

Nemtsov defendeu as caricaturas do profeta Maomé publicadas na revista satírica francesa Charlie Hebdo. (reuters.com)

Por Christian Lowe / reportagem de Andrew Heavens

DEIXE UMA RESPOSTA