Agência Moody’s avalia desempenho do mercado

(D.R.)
(D.R.)
(D.R.)

A instabilidade que se vive nos mercados internacionais face às incertezas com os preços do petróleo permanece entre as preocupações das entidades encarregues de estudar o risco soberano dos países.

A agência Moody’s previu, para este ano, um desempenho económico positivo para Angola. O crescimento do produto interno bruto (PIB) foi fixado em 3,0 por cento. Para validar estas perspectivas optimistas, uma delegação da agência de rating Moody’s esteve estes dias a trabalhar em Luanda, onde realizou vários encontros com instituições empresariais dos sectores público e privado, no âmbito do processo de revisão da avaliação do risco soberano. Conforme divulgado em nota no sítio de internet do Ministé- rio das Finanças, o primeiro dos encontros foi realizado com peritos deste departamento do Executivo angolano.

Na mesa de conversações esteve em análise os indicadores macroecnómicos, do desempenho da balança comercial e outros da actualidade. Vale recordar que a classificação do risco soberano é a nota dada por instituições especializadas em análise de cré- dito, designadas por agências de classificação de risco, a um país que pretende emitir dívida no mercado internacional. Sabe-se, no entanto, que as agências avaliam a capacidade e a disposição de um país honrar pontual e integralmente os pagamentos da dívida.

“O rating é um instrumento relevante para os investidores, uma vez que fornece uma opinião independente a respeito do risco de crédito da dívida do país analisado”, refere a nota. De realçar que as agências de classificação do risco, usualmente, atribuem notas para as dívidas de curto e médio prazos em moeda nacional e estrangeira. A nota para a emissão de longo prazo em moeda estrangeira é a mais comum e usada como referência para definir a classifica- ção de risco do país. As escalas usadas pelas agências são representadas por letras, números e sinais matemáticos (+ ou -) e normalmente vão de ‘D’ (nota mais baixa) a ‘AAA’ (nota mais alta).

Tais notas são classificadas, pelos participantes do mercado, em dois grupos, designadamente, Grau Especulativo (D até BB+) e Grau de Investimento (BBB- até AAA). A delegação da Moody´s manteve, em Luanda, encontros com os Finanças. A instabilidade que se vive nos mercados internacionais face às incertezas com os preços do petróleo permanece entre as preocupações das entidades encarregues de estudar o risco soberano dos países Agência Moody’s avalia desempenho do mercado divulgação Técnicos da agência de notação do risco soberano “Moody’s” trabalham em Luanda para junto das autoridades governamentais avaliarem a economia responsáveis dos Ministérios dos Petróleos, Indústria, bem como, o Banco Nacional de Angola, Sonangol, empresas do sector petrolífero, banca comercial, Agência Nacional para o Investimento Privado (ANIP), Embaixada dos Estados Unidos e as representações do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional.

Esta passagem da Moody’s acontece depois de no início deste mês terem também visitado Luanda, técnicos da agência Fitch, que de igual modo buscou efectuar um levantamento pormenorizado da situação financeira angolana, face às quedas sucessivas do preço do petróleo, sua principal matéria-prima de exportação, no mercado internacional. Na ocasião, a directora do grupo de análise do crédito soberano, e uma das analistas séniores da Fitch sobre Angola, Carmen Altenkirch, afirmou à Lusa que “o crescimento económico em Angola, certamente, será menor que o estimado, porque o sector petrolífero vai contrair-se e o não petrolífero vai sofrer o impacto da falta de dólares e da redução da despesa pública”.

 

BAIRRO MILLENNIUM ANGOLA INAUGURA AGÊNCIA 108 E REFORÇA PLANO DE CRESCIMENTO DAS LOCALIDADES

O bairro do Riceno, na rua direita de Caxito, província do Bengo, recebeu, recentemente, o balcão 108 do Banco Millennium Angola (BMA).

Inaugurado sob um ambiente de festa, o novo balcão coloca à disposição da comunidade de Caxito toda a sua oferta alargada de produtos e serviços financeiros para as empresas da região e também para as pessoas que trabalham nesta localidade. Depois do corte da fita feito pelo vice-governador da província, Domingos Guilherme, este mesmo apelou aos presentes a criarem cultura de poupança e tirarem vantagens significativas da presença da rede bancária na província.

Já Fernando Carvalho, membro da Comissão Executiva do BMA, que orientou a actividade de inauguração, lembrou que a nova agência tem toda a tecnologia e elevado nível de serviços, como é de apraz nos balcões do Millennium Angola em todo o país. “O banco vai disponibilizar todos os seus conhecimentos para apoiar as empresas locais em vários projectos, na expansão dos actuais negócios ou em novas linhas de produtos, através dos seus programas de financiamento, casos do PME Excelência e Angola Investe”, disse. O balcão de Caxito é composto por uma equipa de quatro colaboradores, além do gestor principal.

Ao seu todo, o Banco Millennium Angola conta com mais de 500 mil clientes e 100 balcões, 88 dos quais pertencem à rede de retalho, 12 centros prestige e 8 centros de empresas corporate, dois dos quais vocacionados para a indústria petrolífera, o que totalizam assim 108 espaços de serviços ao público. Destes, segundo dados, 53 estão abertos aos sábados de manhã de forma a estimular a relação banco/cliente como complemento aos avançados e inovadores serviços, que permitem efectuar transacções e consultas através de internet banking, mobile e SMS banking. banco millennium angola inaugura agência 108 e reforça plano de crescimento das localidades } Sexta-feira, 20 de Março de 2015 Finanças 13 vigas da purificação Standard Bank procura estabelecer-se como referência na banca comercial. (jornaldeeconomia.ao)

Por: Regina Handa

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA