Administradora do Cuemba destaca CFB como grande ganho da paz

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

A entrada em funcionamento do Caminho-de-Ferro de Benguela e a circulação regular dos comboios de passageiros e mercadorias entre as regiões do Lobito, Huambo, Bié e Moxico constitui, um dos grandes ganhos dos 40 anos de independência, da paz e dos cidadãos do Cuemba, especialmente no escoamento dos produtos.
A informação foi avançada esta segunda-feira, na vila do Cuemba, 162 quilómetros a leste do Cuito, província do Bié à Angop, pela administradora municipal, Laurinda Kapocolola, no âmbito dos 13 anos de paz que Angola vive desde 4 de Abril de 2002.

Segundo a responsável, a reabilitação dos caminhos-de-ferros está a contribuir significativamente na diversificação da economia, porquanto as pessoas transportam a preços baixos pequenas ou grandes quantidades de mercadorias, especialmente o escoamento de produtos do campo para as cidades.

Laurinda Kapocolola admitiu que a circulação dos comboios será ainda um imensurável benefício, trazido pela paz vislumbrada pela população em apenas 13 anos, acrescentando que a conclusão até ao Luau dos Caminhos-de-Ferro de Benguela contribui e representa positivamente o melhoramento da qualidade de vida das populações.

Disse também que as estações construídas nos municípios ao longo da ferrovia, além de oferecer uma imagem digna às localidades, proporcionam um conforto aos passageiros e segurança na transportação das mercadorias.

Lembrou que a circulação ferroviária entre Benguela, Huambo e Bié ficou interrompida durante 27 anos, devido ao conflito armado que o país viveu.

“A retomada da circulação do comboio no ramal do Caminho-de-Ferro de Benguela constitui um facto histórico e relança a economia por ser um meio de transporte acessível e seguro para a população, com custos relativamente baixos”, precisou.

O CFB proporciona hoje aos angolanos benefícios, pelo que tudo fazem no sentido de manter conservado o meio, visando elevar o desenvolvimento económico da região, em especial, o nível de vida das populações.

Na província do Bié, a linha férrea tem um percurso estimado em 393 quilómetros, passando pelos municípios do Chinguar, Cunhinga, Catabola, Camacupa, Cuemba até à comuna do Munhango, fronteira com a província do Moxico.

Nesta província, foram reabilitadas 13 estações nas localidades do Chinguar, Cutato, Capeio, Cunhinga, Cunje (a maior e principal estação do Bié), Chipeta, Catabola, Camacupa, Cuanza, Cueli, Cuiva, Cuemba e Munhango.

Os trabalhos de modernização e construção de infraestruturas do CFB, num percurso de mil e 347 quilómetros, do Lobito ao Luau, (este último inaugurado em Fevereiro deste ano pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos), foram construídas e reabilitadas 104 estações na ligação Benguela/Huambo/Bié e Moxico.

Para os seus serviços, o Caminho-de-Ferro de Benguela conta com oito locomotivas, 66 carruagens e 94 vagões.

As obras de reabilitação e modernização do CFB começaram em 2008, com o objectivo de facilitar a circulação de pessoas e bens, sobretudo no escoamento de produtos do campo para o litoral e criar oportunidades de negócios.

O município do Cuemba dista a 162 quilómetros a leste da cidade do Cuito, província do Bié, com uma população de 60 mil habitantes distribuídos em três comunas, como Munhango, Luando e Sachinemuna. (portalangop.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA