Abrahão Gourgel defende importância das telecomunicações para o crescimento da economia

Ministro da Economia, Abrahão Gourgel (Foto: Pedro Parente)
Ministro da Economia, Abrahão Gourgel (Foto: Pedro Parente)
Ministro da Economia, Abrahão Gourgel (Foto: Pedro Parente)

O ministro angolano da economia, Abrahão Gourgel, ressaltou hoje, quarta-feira, em Luanda, a importância das infra-estruturas de telecomunicações para o crescimento da economia.

Ao falar na cerimónia de encerramento do Primeiro Fórum Angolano de Telecomunicações e Tecnologias da Informação 2015, esclareceu que os produtos e as infra-estruturas que compõem as telecomunicações induzem, à partida, um aumento da procura por bens e serviços utilizado para os produzir.

De acordo com o ministro, à medida que as telecomunicações evoluem, reduz-se o custo das transacções económicas, ao mesmo tempo que cresce a produção das empresas dos diversos sectores da economia.

Referiu que as empresas hoje sentem-se habilitadas a explorar novas actividades e na medida em que os processos produtivos se tornam cada vez mais intensivos em informação, cresce também a importância deste efeito favorável.

Tais estudos, prosseguiu, indicam, ainda que o retorno económico das infra-estruturas de telecomunicações supera com folga os custos da sua implementação, uma vez que elas promovem a comunicação directa entre os agentes económicos, apesar do aumento das distâncias.

Abrahão Gourgel, disse igualmente que tais benefícios estendem-se à economia como um todo, através do mecanismo de transmissão de conhecimento tecnológico e das externalidades que contribuem para o crescimento de outros sectores e da economia numa perspectiva mis ampla.

Esta capacidade diferenciada de gerar ganhos económicos, acrescentou, deve-se aos efeitos de contágio através das chamadas “ externalidades de rede “, típicas das telecomunicações, que têm um impacto intenso sobre o crescimento económico do que outras formas alternativas de infra-estruturas.

Na mesma senda, disse, as externalidades de rede, próprias das telecomunicações, fazem com que a um número crescente de utentes corresponda uma utilidade maior para cada indivíduo.

A titulo de exemplo, argumentou, quanto mais pessoas utilizarem o telefone, maior será o beneficio que cada pessoa retira da utilização do telefone.

De igual modo, esclareceu, que para as telecomunicações produzam os valiosos resultados de que a sociedade necessita, é vital que o Estado mantenha actualizado e funcional um quadro regulatório eficaz, capaz de incentivar o investimento e preservar os interesses dos consumidores.

Neste sentido, frisou, deve ser plenamente estimulada a concorrência entre as diferentes redes, ajudando o sector a tornar-se competitivo em termos de preços e prestação de melhores serviços aos seus utentes. (portalangop.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA