Ler Agora:
Teixeira Duarte garante que vai continuar a investir em Angola
Artigo completo 3 minutos de leitura

Teixeira Duarte garante que vai continuar a investir em Angola

Novo Parlamento, com obras de construção e engenharia, a cargo da empresa Teixeira Duarte. (Foto: D.r.)

Novo Parlamento, com obras de construção e engenharia, a cargo da empresa Teixeira Duarte.
(Foto: D.r.)

O administrador-delegado da Teixeira Duarte em Angola garantiu hoje que a empresa portuguesa vai continuar a investir naquele país, apesar do “enorme esforço” na adaptação ao novo cenário financeiro, provocado pela quebra na cotação internacional do petróleo.

A posição foi assumida por Valdemar Marques, em Luanda, à margem de uma iniciativa da Teixeira Duarte Angola sobre urbanismo, tendo garantido que não está prevista, nesta altura, “nenhuma redução” no número de quadros do grupo no país.

Em áreas como construção, automóvel, hotelaria, imobiliária ou distribuição, o grupo, presente em Angola desde 1979, emprega cerca de 6.200 trabalhadores angolanos e mais de 400 expatriados.

“Nós estamos aqui há muitos anos, a nossa aposta é de continuidade e portanto temos feito um grande esforço para continuar a crescer. E iremos fazer um enorme esforço para nos adaptarmos às novas circunstâncias, que queremos acreditar que sejam conjunturais”, disse Valdemar Marques, questionado pela Lusa.

O grupo Teixeira Duarte Angola contou em 2013 com um volume de negócios a rondar os 800 milhões de dólares (706 milhões de euros), enfrentando agora – como todas as outras empresas -, as medidas previstas pelo Governo angolano para compensar a quebra, para metade, das receitas petrolíferas, como a suspensão de obras.

“Uma coisa é certa. Os países não podem viver com aquilo que não têm. Portanto, é melhor que se tomem medidas prudenciais, atempadamente, do que depois criar situações que no futuro podem ser complicadas”, reconheceu Valdemar Marques.

Em Luanda, na área da construção, a Teixeira Duarte concluiu em 2014 o novo edifício da Assembleia Nacional, que aguarda inauguração oficial, sendo esta uma obra avaliada (em 2010) em 185 milhões de euros.

“Nós acreditamos no país, acreditamos no mercado, acreditamos nos angolanos e vamos continuar a investir em Angola”, enfatizou o administrador-delegado da Teixeira Duarte Angola.

O Governo angolano vai cortar cerca de um terço da despesa total pública que tinha previsto para este ano, devido à forte redução das receitas do petróleo em 2015.

Em simultâneo, vai também avançar uma contribuição especial transitória a aplicar sobre as transferências cambiais, que pode nomeadamente afetar os salários dos trabalhadores expatriados.

A Teixeira Duarte promoveu hoje em Luanda o primeiro encontro do ciclo internacional de conferências e cursos de formação do grupo, reunindo na capital angolana especialistas internacionais para debater o futuro das cidades, sob o lema “Desenvolvendo as Cidades de Amanhã”.

De acordo com a empresa, o objetivo passa por promover uma “discussão saudável, geradora de ideias e soluções com uma língua comum e na transversalidade dos continentes”, envolvendo arquitetos de Angola, Portugal, Moçambique e Brasil.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »