Ler Agora:
Portugal cresce 0,9% em 2014 e deixa para trás 3 anos seguidos de recessão
Artigo completo 2 minutos de leitura

Portugal cresce 0,9% em 2014 e deixa para trás 3 anos seguidos de recessão

(tvi24.iol.pt)

(tvi24.iol.pt)

Lisboa – A economia de Portugal fechou 2014 com um aumento do PIB de 0,9%, índice ligeiramente abaixo das previsões do governo mas que confirma o retorno do país ao crescimento após três anos consecutivos de recessão.

Segundo estimativa do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgada nesta sexta-feira, a alta do PIB registada no ano passado foi um décimo inferior aos cálculos do Executivo e da Comissão Europeia.

A economia portuguesa voltou a crescer após três anos seguidos de queda. Em 2014, o país encolheu 1,4%; em 2013, 3,3%, a maior queda do período democrático; e em 2011 caiu 1,8%, três anos nos quais o país viveu sob a ajuda financeira da União Europeia (UE) e do Fundo Monetário Internacional.

De acordo com os números divulgados hoje, a melhora se explica sobretudo pela “recuperação da demanda interna”, que caiu de maneira abrupta durante os piores momentos da severa crise económica que afectou Portugal, especialmente atingida pela redução do consumo das famílias.

Além disso, a alta do PIB foi acompanhada em 2014 por uma queda da taxa de desemprego de quase dois pontos, que terminou o ano em 13,4%, equivalente a 659.600 pessoas.

Em termos trimestrais, entre Outubro e Dezembro a economia lusa cresceu 0,7% em comparação com o mesmo período de 2014.

Esta taxa foi a menor de todo o ano, já que no primeiro trimestre o PIB aumentou 1%, no segundo trimestre 0,9% e no terceiro trimestre 1,1%.

A queda no ritmo nos últimos três meses de 2014 se deveu a “uma contribuição menos positiva da demanda interna, que reflecte a desaceleração do consumo privado”, segundo os técnicos do INE.

Apesar de ter fechado 2013 com uma nova queda do PIB, o país conseguiu sair da “recessão técnica” em Setembro desse ano, após ter dois trimestres consecutivos de alta.

Para 2015, as autoridades lusas prevêem um aumento do PIB de 1,5%. (EFE)

 

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.