Ler Agora:
Houthis negam pedido da ONU para deixar o poder no Iémen
Artigo completo 2 minutos de leitura

Houthis negam pedido da ONU para deixar o poder no Iémen

(Khaled Abdullah / REUTERS)

(Khaled Abdullah / REUTERS)

Sana – O movimento rebelde xiita dos houthis rejeitou o pedido do Conselho de Segurança da ONU de abandonar o poder no Iémen e negociar com o resto de forças políticas para encontrarem uma solução à actual crise que vive o país.

“A bendita revolução avança com firmeza e força superando todas as dificuldades e obstáculos”, disse o Comité Supremo Revolucionário, máxima instância que governa interinamente o Iémen, em comunicado divulgado ontem à noite.

Além disso, o organismo pediu ao Conselho de Segurança das Nações Unidas que respeite a vontade do povo iemenita e sua soberania.

O grupo ainda pediu que a ONU “não se deixe arrastar pelas forças regionais que pretendem anular a vontade do povo iemenita”, em alusão ao Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) Pérsico, que pediu ao Conselho de Segurança uma resolução para intervir à força no Iémen.

Os houthis assinalaram também que a emenda constitucional que dissolveu o parlamento no último dia 6, permitindo que o grupo xiita tenha assumido unilateralmente o poder, é “uma mera prática do povo iemenita para exercer seu direito de expressar suas opções políticas sem ditados de ninguém”.

O Conselho de Segurança da ONU exigiu no domingo (segunda-feira no Iémen) que os rebeldes houthis deixem o poder no país e negociem com o resto de forças uma saída à crise, e advertiu de sua disposição de tomar “medidas adicionais” se isso não ocorrer.

Em uma resolução aprovada por unanimidade, o principal órgão de decisão das Nações Unidas exigiu que os houthis, “imediata e incondicionalmente”, voltem à mesa de diálogo promovida pela ONU, retirem suas forças dos edifícios governamentais e liberem o presidente Abdo Rabbo Mansour Hadi e outros dirigentes retidos em seus domicílios.

O Conselho ameaçou com a imposição de “medidas adicionais”, que poderiam ser sanções em caso de descumprimento, mas não adoptou ainda o capítulo VII da Carta da ONU, que abre a porta ao uso da força, apesar do pedido da CCG. (EFE)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »