Tunísia: Após três meses de crise política, negociações começam

Houcine Abassi (Foto: D.R.)
Houcine Abassi (Foto: D.R.)
Houcine Abassi (Foto: D.R.)

Tunis – As negociações entre os islamitas tunisinos na direcção do governo nacional e a oposição para acabar com uma profunda crise política, face à violência jihadista, começaram na sexta-feira após um compromisso de renunciar manifestado por escrito pelo governo.

“O mundo nos observa e espera que sejamos bem sucedidos, e tivemos um primeiro êxito com o lançamento oficial do diálogo nacional,” declarou Houcine Abassi, secretário- geral do sindicato UGTT e principal mediador da crise, segundo um comunicado.

Essas negociações têm como objectivo pôr um ponto final a uma crise política que paralisa o país desde o assassinato do influente deputado opositor Mohamed Brahmi, no final de Julho. O crime foi atribuído a um movimento jihadista que intensificou seus ataques depois da revolução de Janeiro de 2011.

A oposição acusa o governo de ter ignorado o avanço da corrente radical salafista e tentado limitar as liberdades conquistadas com a revolução.

Com o lançamento do diálogo, começa também uma contagem regressiva para o governo liderado pelo Ennahda.

De acordo com o plano de saída da crise, dentro de sete dias a classe política deve designar um primeiro-ministro independente que terá duas semanas para formar seu gabinete. O governo de Ali Larayedh deve renunciar no final deste processo.

Paralelamente, os negociadores terão um mês para resolver suas discordâncias em torno da futura Constituição e a Assembleia Nacional Constituinte (ANC) deverá adoptar os artigos da nova carta magna.

Outros temas que devem ser resolvidos são a criação de uma legislação e de uma comissão eleitorais antes do estabelecimento de uma data para as eleições legislativas e presidencial.

A Tunísia vive desde quinta-feira um período de luto de três dias depois que sete membros das forças de segurança morreram em dois incidentes separados.

A Tunísia é considerada o berço do grande movimento de contestação que varreu vários governos autoritários no norte da África e no Médio Oriente, chamado de Primavera Árabe. (portalangop.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA