Timor-Leste vai continuar a apoiar a Guiné-Bissau

Xanana Gusmão (DR)
Xanana Gusmão (DR)
Xanana Gusmão (DR)

Díli – Ainda que o Timor-Leste esteja a trabalhar arduamente para sair da pobreza, tem um forte compromisso em ajudar a Guiné-Bissau a resolver os seus actuais problemas, através da experiência.

Timor -Leste mostrou a intenção de continuar a apoiar a Guiné-Bissau, no sentido de contornar as suas crises actuais, nomeadamente a pobreza e a violência. A posição de Timor -Leste foi declarada pelo Primeiro-ministro Xanana Gusmão, depois de ter regressado de uma visita oficial àquele país.

«Todos devemos saber que a Guiné-Bissau tem sido uma nação independência desde há 40 anos, mas o país não registou mudanças, os líderes não estão unidos e as pessoas estão a sofrer. Timor-Leste não vai fechar os olhos», disse o Primeiro-ministro.

Na qualidade de Chefe do Governo do país que lidera o G7 +, Xanana Gusmão pediu ao FMI e ao Banco Mundial para apoiarem os países-membros mais frágeis, que querem sair da pobreza.

A Guiné-Bissau é um dos membros do G7 +, grupo que contabiliza 18 países associados.

O Presidente do Banco Mundial informou o Primeiro-ministro de que a sua instituição tem um forte compromisso com o auxílio ao grupo.

O secretário de Estado da Administração Estatal, Tomás Cabral, que foi enviado recentemente à Guiné-Bissau para observar a situação, entregou o seu relatório ao Primeiro-ministro timorense, informando sobre a situação real que se vive naquele Estado.

O Conselho de Ministros vai analisar o relatório e decidir que tipo de apoio deve ser concedido por Timor-Leste à Guiné- Bissau, segundo adiantou Tomás Cabral.

O ministro timorense do Petróleo, Alfredo Pires, disse que a Guiné-Bissau pediu ao seu
Governo para fornecer capacitação na área da exploração do petróleo e do gás, e revelou que uma equipa irá em breve de Díli para Bissau, com essa finalidade.

Depois de ter recebido a total independência por parte das Nações Unidas, em 2002, Timor-Leste é conhecido como o país mais pobre da Ásia. O Orçamento de Estado do país decorre das receitas do petróleo.

O Governo tem gasto, anualmente, grandes quantias monetárias destinadas aos programas de desenvolvimento, mas a maioria dos seus cidadãos continuam a viver na pobreza. Ainda assim, Timor-Leste tem vindo a receber apoio financeiro de países como a Indonésia, Japão e Portugal. (jornaldigital.com)

DEIXE UMA RESPOSTA