Recrutamento e selecção considerados pilares para o sucessso do Censo 2014

Camilo Ceita durante a conferência de imprensa (Foto: ANGOP)
Camilo Ceita durante a conferência de imprensa (Foto: ANGOP)
Camilo Ceita durante a conferência de imprensa (Foto: ANGOP)

O recrutamento e selecção de agentes recenseadores é uma acção indispensável para a realização do Recenseamento Geral da População e Habitação, cujo momento censitário vai ocorrer as zero horas do dia 16 de Maio de 2014.

Esta posição foi defendida nesta sexta-feira, pelo coordenador geral do Gabinete Central do Censo, Camilo Ceita,  durante uma conferência de imprensa a propósito do Primeiro Encontro Nacional Metodológico sobre o Censo, que vai decorrer, no complexo do Futungo II, em Luanda, de 15 a 25 do mês em curso.

Camilo Ceita referiu que no recrutamento e selecção deve se ter em conta as metodologias a aplicar, consubstanciadas no critério de “ quem, quando, local de residência, disponibilidade dos candidatos e o sentimento de responsábilidade do papel do recenseador”.

Por seu turno, o coordenador da Subcomissão de Formação do GCC, Salvador Ferreira, esclareceu ser “muito importante” a qualidade da formação dos agentes recenseadores, pois dela depende, em grande medida, o êxito da operação censitária a decorrer em 2014 no país.

“O Gabinete Central do Censo tem consciência disso, daí que tenha estabelecido como tecto mínimo a 9a classe, como primeiro requisito para o recrutamento e selecção, aliado a outros itens, como, idade superior a 18 anos a fim de terem o domínio de todos os aspectos relacionados com o censo”, esclareceu o responsável.

A fonte informou que serão formados mais de 100 mil pessoas em todo o país, de forma faseada, sendo que cada acção formativa terá a duração de 10 dias, cujo início está previsto para Janeiro próximo e termino 15 dias antes do momento censitário.

Salvador Ferreira explicou que, dada a complexidade da operação, mormente no recrutamento de pessoas com o grau de escolaridade que se pretende, a operação contará com o concurso do Ministério da Educação, para se salvaguardar a qualidade que ela exige.

Deste modo, referiu, as mais de 100 mil pessoas a ser formadas vão apresentar qualidade na recolha de dados, durante o censo.

Com a formação dos grupos técnicos provinciais, municipais, e comunais, ao longo dos vários encontros metodoogicos que iraõ decorrer até a realização do censo, serão reunidas todas as condições atinentes ao êxito do primeiro grande Censo que o país vai albergar no período pós-independência. (portalangop.co.ao)

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA